terça-feira, 20 de outubro de 2015

Ciência Política # 16 - Nação (conceitos)


Nação, do Latim natio, de natus (nascido) significa raça, nascimento, espécie, vamos pois nos debruçar sobre este conceito que no entanto é visto muitas vezes de formas diversas e até opostas, resultando em acesas discussões.
Há duas correntes de pensamento sobre a Teoria de Nação que são as seguintes: a corrente transpersonalista / objetiva e a corrente personalista / subjetiva.
A Corrente Transpersonalista / Objetiva define os critérios de Nação baseados nos seguintes elementos: língua, raça, etnia, território, costumes, religião, como exemplo temos os ciganos e os judeus.
Ou seja para se pertencer a uma dada nação não basta a vontade, mas tão somente os critérios acima assinalados, ou seja ou se é ou não se é logo à nascença de uma dada nacionalidade.
A Corrente Transpersonalista / Objectiva foi erradamente denominada de "Germanica" Os principais autores foram: 
Franceses:  Conde de Gabineau (1816-1882) "A desigualdade das raças humanas" - 1855; Vacher de La Pouge (1854-1936) "O Ariano, seu papel social" - 1899;  Augustin Thierry (1795-1856) "Cartas sobre a História de França" - 1827.
Alemães:  Otto Ammon (1842-1916) Antropologo alemão; Johann Gottlieb Fitche (1762-1814) "Discursos à nação alemã" -  1808.
Inglês: Stewart Chamberlain (1855-1927) "As raizes do Séc. XX" - 1899
Português: Mário Sáa (1893-1971) "A invasão dos judeus" - 1925.
A Corrente Personalista / Subjectiva define os critérios de Nação baseados na vontade, ou seja para se pertencer a uma dada nação, basta que se queira aderir a ela.
Como exemplo temos Portugal, o Brasil ou os EUA entre outros países em que para se adquirir a nacionalidade (cidadania) basta a vontade expressa de a desejar. Estamos por tanto em países cujos critérios não se baseiam em raça, credo, cor etc.
A Corrente Personalista / Subjectiva teve os seguintes autores abaixo indicados:
Franceses: Joseph Ernest Renan (1823-1892) "A história do povo de Israel" - 1883-93 5 vol; André Malraux (1901-1976) "A Condição humana" - 1933.
Espanhol:  José Ortega y Gasset (1883-1955) "A rebelião das massas".
Alemão: Maximilian Weber (1854-1920) "Escritos Políticos" - 1921.
As Correntes Personalista e Transpersonalista são igualmente defendidas pelo:
Italiano: Giuseppe Mazzini (1805-1872) "Deveres do Homem" - 1860 (as duas correntes).


Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

0 comentários :

Enviar um comentário