10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Sistema de Ensino Português

O Sistema de ensino português foi reformado após a Revolução dos Cravos a 25 de abril de 1974, mudando os paradigmas da educação, por forma a permitir a integração e a cidadania ativa, no entanto o sistema anterior deixa marcas profundas na sociedade portuguesa, de modo que o sistema educativo por si só não tem vindo a diminuir as assimetrias socioeconómicas da sociedade portuguesa, e mesmo após a entrada na CEE, faz-se necessário um esforço no setor do ensino básico e secundário, mesmo tendo havido progressos e tenha sido sentida uma melhoria dos resultados no ensino por parte dos alunos portugueses, o insucesso e o abandono escolar permanecem como uma realidade a combater, faz-se necessário investir de forma clara e determinante no ensino, não obstante e devido à crise, bem como a uma visão retrograda e distorcida por parte dos tecnocratas no poder, as reformas e os investimentos tardam, pelo que o fosso que separa culturalmente Portugal do resto da Europa comunitária torna-se cada vez maior e o futuro adiado, sobretudo porque há uma clara politica de tornar a classe dos professores cada vez menos prestigiados e reconhecidos no seu papel fundamental que deveras têm.
Atualmente o sistema de ensino português é baseado em doze anos obrigatórios, do ensino básio ao secundário, como descrito abaixo:

O Ensino Básico compreende três ciclos:
1º Ciclo: 1º, 2º, 3º e 4º Anos de escolaridade (antigas 1ª, 2ª, 3ª e 4ª classes)
2º Ciclo: 5º e 6º Anos de escolaridade (antigos 1º e 2º ano do Preparatório)
3º Ciclo: 7º, 8º e 9º Anos de escolaridade (antigos 3º, 4º e 5º ano do Complementar)

O Ensino Secundário é constituído pelo:
10º ano de escolaridade (antigo 6º ano do Liceu)
11º ano de escolaridade (antigo 7º ano do Liceu)
12º ano de escolaridade (antigo ano propedeutico)

Seguindo-se o ensino superior após a conclusão do 12º ano, e a aprovação pelo Exame Nacional de acesso ao ensino superior.

Público - Sistema de ensino português não consegue diminuir assimetrias sociais.

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

0 comentários :

Enviar um comentário