10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

sábado, 13 de dezembro de 2014

Modelo Suicida? A Culpa Não é da Alemanha!

Recentemente num site francês Marianne.net questionava-se, sobre de quem seria a culpa do modelo económico suicida, há uma grande tendência para se culpar a Alemanha, mas a meu ver é um erro, e acho até injusto.

Penso que o modelo suicida surgiu quando a Europa recusou funcionar a duas velocidades, como havia proposto Jacques Chirac por razões de justiça social, e isto é que está a dar maus resultados, e poderá vir a arrastar também a Alemanha pouco a pouco para uma crise económica, que não interessa a ninguém neste momento. Há que se encontrar um novo modelo que tenha em conta as disparidades sócio-económicas de cada país ou entre o Norte e o Sul da Europa. Até porque o modelo vigente foi imposto a todos os países, onerando os custos da Alemanha (entre outros) face a países como os PIGS Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha. (Já agora onde formam parar biliões e biliões de Euros para o investimento na Indústria e na Educação tecnológica para nos equipararmos aos outros países europeus?)

E penso deveras, que foi um pouco a "ganância" (desculpem-me o termo) de uma Europa ansiosa por ver crescer a Leste o seu mercado e aproveitar mão de obra barata e até (imigração ilegal) também terá acelerado a crise europeia que não suportou a crise do Subprime estadunidense de 2008. Não sou economista, e como tal pouco percebo de economia, mas lembro-me bem em termos históricos dos passos acelerados que a Europa tomou e dos quais agora se arrepende.



Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal é Licenciado em Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa ONG, vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, É Blogger desde 2007, com o ideal de cariz Humanista, além disso dedica-se a outros blogs de cariz filosófico, teológico e poético.

0 comentários :

Enviar um comentário