10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Poema # 33 - Uma Estela Pequenina.

Ah, se eu fosse uma estrelinha,
como brilhariam meus olhos, ao ver os teus,
Quem me dera ser a mais pequenininha,
Das que contemplas ao olhar os sete céus

Ou então poderia renascer num pássaro,
Um rouxinol que te cante manhã cedo alegremente,
E faria no teu telhado, o meu mais belo ninho,
E cantaria para ti belas melodias, eternamente.

Eu já tenho no peito a minha estrelinha,
E oiço na minha mente o Rouxinol e o seu belo canto.
Mas o astro que tanto queria, afastou-se, não quis ser minha,
E nem sobrou o canto alegre do rouxinol, apenas o pranto.

Dentro de mim sobrou espaço a um turbilhão,
Desejaria nesta galáxia poder ser tua estrelinha,
Sinto que dentro de mim há um imenso vulcão,
Que não me permite o canto, só a poesia destas linhas

E sobrou um enorme silêncio, que grita mil palavras de amor.
Que não as entendo, porque não sendo para mim, são dor.
E até já me disseste, escreveste eu lendo comovido,
Soube que me visitaste em sonho, e segredaste-me

Que eu não poderia receber de ti, o meu terno pedido,
Como impedir? se sem querer tu cativaste-me.
Agora estou agrilhoado, num amor que não tem fim,
Numa esperança que não cessará nunca em mim.




Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

0 comentários :

Enviar um comentário