10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Poema # 18 - Se Os Meus Olhos Falassem

Se os meus olhos falassem, falavam de ti,
Desde que te vi, os teus encantam os meus,
Ilhado em pensamentos, sonhei e me vi,
Com rubor a pedir um beijo dos teus.

Observam-te meus olhos como quem adora,
Como se quisessem dizer com encanto,
Estou aqui, não me irei nunca embora,
Na eternidade destes versos, neste encanto.

Ah, doce melodia que sopra minha boca
Porque meus olhos querendo falar,
Não falam, calam-se com brilho,
E gritam teu nome com luz e cores.

Se os meus olhos falassem,
Falariam de ti e dos sonhos meus,
E de quando meus olhos te viram sorrir
Desabou em mim todo o meu mundo,
Para que novamente, possa ressurgir,
Com novas cores, em tons de alegria.

A tua singela tristeza é sinal do desassossego,
No qual meus olhos só vêm tons cinzentos,
De que se reveste dos dias, o mais nebuloso.
E seja a tua felicidade o espelho de um desejo,
Ainda que estejas distante, ou no tempo tardia.
Permaneces, como meus olhos te viram um dia.

Autor Filipe de Freitas Leal




Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

0 comentários :

Enviar um comentário