10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

domingo, 10 de abril de 2011

A Corrente Humanista no Serviço Social

O Que é o Humanismo?
A questão de uma ideologia para o Serviço Social sempre foi tida em conta, sobretudo nos anos 60 e 70, época da reconceituação do Serviço Social na América Latina, e é nesse contexto que se reforça um corrente de cariz humanista no setor.

O Humanismo é a corrente filosófica e moral, que defende que o Ser Humano é o centro das preocupações sociais e políticas, ao contrário por exemplo do neo-liberalismo, que defende a importância do capital ou do socialismo que defende a sociedade como um todo no centro das suas preocupações e praxis política.

Inicialmente o conceito de Humanismo, teve origem na antiga Grécia, nas ideias de Sócrates e Platão, mas foi no Renascimento e no Iluminismo, que teve um novo impulso, sendo inclusive confundido com o anticlericalismo.

O humanismo tem várias vertentes, Humanismo Marxista, Humanismo Secular, Humanismo Positivista ou Contiano e o Humanismo Religioso (incluindo o Humanismo Cristão), é este último que influencia o Serviço Social, que era baseado nos valores cristãos e católicos na ação social, praticada pela caridade cristã dos seus fiéis, tal como a “Sociedade São Vicente de Paulo” e Frederico Ozanam, ou Ainda Dom Bosco, que funda a Pia Sociedade São Vicente de Sales (os Salesianos) com o objetivo de promover a reinserção de adolescentes e jovens.

A Doutrina Social da Igreja na formação da emergência do Serviço Social.

A doutrina Social da Igreja, lançada no fim do séc. XIX pelo Papa Leão XIII na sua encíclica “Rerum Novarum”, lançando não só o “magistério social da igreja” mas também as ideias de um humanismo cristão que combatia os excessos nefastos do capitalismo triunfante, por outro lado combatia o socialismo cientifico de caris marxista, em crescimento na classe operária, trazendo para a sociedade civil e em particular para o seio do catolicismo uma clara resposta cristã e humanista, foi claramente este ideal que fez nascer em vários países, a “Assistência Social”, que por sua vez tem vindo a evoluir ao longo do tempo até chegarmos ao moderno “Serviço Social”

Os Direitos Humanos e o Serviço Social.

A política social do Estado, teve um forte impulso, a partir dos anos que se seguiram à II Guerra Mundial, da criação da ONU e em especial a DUDH Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos “Gloriosos 30” que veio a fomentar cada vez mais a preocupação dos Estados em implementar ou desenvolver políticas sociais, nomeadamente o conceito do “welfare state” muito em voga nos países desenvolvidos da Europa Ocidental e América do Norte, mas também de lutar contra a discriminação, a exclusão e a favor de amparar os mais indefesos da sociedade como as crianças, idosos e os desfavorecidos da sociedade.

É neste contexto que surge a reconceituação do Serviço Social na América Latina e nos Estados Unidos, onde o expoente máximo foi Carl Rogers, e este novo conceito teve claramente um cariz humanista, muito voltado para o combate à pobreza, à reinserção social da pessoa humana, mas também para a consciencialização do individuo face aos seus direitos e à sua cidadania, onde o sistema cliente passa a ser tido como um importante agente no processo da sua própria reinserção, em que as pessoas procuram fazer o seu projeto de vida, muito ao contrario do inicio do Século XX onde o Serviço Social era mais uma ação higienista, feita do topo para a base, com o objetivo de remediar, onde a pessoa não era tida no processo de solução. Era uma Assistência na Pobreza e a pessoa humana não era o centro no processo decisório.

Logo hoje totalmente distante dos erros do inicio desse tempo, a Exclusão Social é totalmente incompatível com o humanismo dos “Direitos Humanos”, do “Estado de Direito” e da cidadania plena dos indivíduos.

Bibliografia:
Silva, Guadalupe Maria; Ideologias e Serviço Social, 1983 Cortez Editora / Brasil
Kisnerman, Natalio; Sete Estudos sobre Serviço Social, 1980 Cortez e Moraes / Brasil
Núncio, Maria José Núncio – Introdução ao Serviço Social, 2010 ISCSP / Portugal
Caratini, Roger – História Critica do Pensamento Social.

Sitografia:
http://www.infopedia.pt/$humanismo


Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

4 comentários :

É sempre um prazer poder ajudar os outros, é por isso que este blog existe, obrigado pelas suas palavras.

felicidades

Filipe de Freitas Leal

o humanismo se caracterizou no serviço social de que forma

O Humanismo, quer seja no serviço social, quer seja na psicologia ou na filosofia política, é uma corrente, que se caracteriza por ter o Ser Humano, como foco central do seu campo de ação. Ou seja o Ser Humano na centralidade das questões de políticas pública e sociais, visa corrigir os erros do passado de uma sociedade teocrática, ou de um capitalismo feito para o lucro e a classe dominante, o foco aqui é o equilíbrio social a partir da resolução dos problemas sociais tendo em conta o todo mas visando a mudança pela consciencialização da pessoa humana, do seu lugar no processo de mudança e da importância do seu papel como ator na sociedade e não mais como mero espectador passivo, No entanto a corrente Humanista é uma corrente de tendencia não normativa e sobretudo subjetiva, o que significa que é uma corrente que visa a consciencialização, e isso é um processo gradativo e de resultados variáveis. Não obstante podemos também aferir que é a partir da América Latina que surge este movimento Humanista, que influencia o Novo Serviço Social na América do Sul nos anos 50 do Século XX, e também surge na senda da psicologia social de Carl Rogers.

Enviar um comentário