10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Mendicidade, Um Estigma na Pobreza I

O século XXI, surgiu-nos pleno de promessas e esperanças, após as grandes conquistas do século passado, como as tecnológicas, as de direitos de cidadania, as de cada vez maior igualdade de género, e as de combate crescente à segregação e ao preconceito, seja de género, raça, credo ou de nacionalidade.  A Democracia forneceu o pano de fundo a muitas dessas mudanças civilizacionais, como princípio de organização política sustentada no reconhecimento e disseminação do postulado do direito à autodeterminação dos povos que culturalmente foi consolidando o princípio do direito à “auto-determinação individual”. Enfim, tratava-se de um novo século que após tantas conquistas seria logo à partida, julgava-se, tão promissor quanto possível, e o palco, esperávamos, do encontrar do tão desejado equilíbrio sócioeconómico a nível global, que permitiria o avanço sustentado do combate à pobreza e à exclusão social.

Mas eis que, na realidade, não obstante seja positivo o sentido global de evolução, inegavelmente, a grande desprotecção dos pobres e dos excluídos face à variação das condições socioeconómicas fez com que, neste século que tem até ao momento sido de mudanças e desafios profundos ao nível do modelo económico vigente, se tem verificado um agravamento generalizado nas sociedades ocidentais da situação dos mais desfavorecidos, quer em consequência da crise económica do Subprime em 2008 quer do efeito dominó que a partir daí arrebatou as  economias de países que entraram em banca rota, como a Islândia, o Equador, a Grécia, a Irlanda. Portugal não ficou imune, sendo arrastado para uma crise económica, política e social que se agrava.

Esta crise acarreta a ruína de uma franja da população de forma violenta, os mais necessitados, os sem abrigo, os sem emprego, os sem família os sem esperança, e sobretudo os dependentes quase exclusivamente da caridade alheia e das instituições religiosas e de solidariedade social, tais como por exemplo (internacionalmente) “O Exército de Salvação” e a “Santa Casa da Misericórdia” e por exemplo (nacionalmente) a “Comunidade Vida e Paz”, a “Casa” e a “CEPAC Centro Padre Alves Correia” que prestam uma grande ajuda às pessoas mais pobres e empobrecidas. Destacaremos hoje as duas últimas quer como modo de divulgar os seus esforços, quer como de as promover junto dos estudantes e especializados na área das Ciências Sociais, convidando todos a uma visita, desde logo, aos seus sites.

A CEPAC, tem como objectivo reinserir os imigrantes ilegais explorados em Portugal, tais como as ciganas romenas. O centro pretende ajudar quem vive em situação de mendicidade, tendo baixa escolaridade e encontrando-se em situação de uma forte exclusão social.

A CEPAC presta um enorme serviço, por exemplo no caso das mulheres ciganas romenas, dando formação a estas mulheres, não só escolar mas também profissional, o que se torna numa grande mais valia para a sua inserção social, auto estima, autonomia, bem como para a conquista do seu espaço na sociedade, deixando as ruas, a indigência e a mendicidade.

A CEPAC tem vários projectos de desenvolvimento para imigrantes, tais como o: “Fronteiras do Imigrante – Agir para Incluir”, sendo apoiada pela ONGD “Pórticus”.

Recomenda-se quer a visita ao site quer a colaboração. Nesta página encontram-se dados sobre como apoiar financeiramente a instituição ou como colaborar com tempo, em regime de voluntariado.
Outra instituição, e esta totalmente voltada para os “Sem Abrigo” é a “Casa – Centro de Apoio aos Sem Abrigo”, que suportando-se no apoio de voluntários e de restaurantes e benfeitores das cidades onde actua, tem vindo a servir todas as noites, refeições quentes e embaladas, a distribuir roupas e uma palavra amiga e de esperança, aos sem abrigo nas cidades de Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Setúbal.
A “Casa” necessita também de voluntários, agradecendo também todos os donativos que lhe possam ser encaminhados. Sobre donativos ver aqui. Sobre voluntariado especializado e não especializado aqui.
Ambas as instituições podem ser receptoras da consignação de 0,5% em sede de IRS. Vejam nas páginas indicadas como.
C.A.S.A. – Centro de Apoio ao Sem Abrigo
Sede Institucional: Rua Dona Estefânia, 124, 1º, 1000-158 Lisboa
Tel: 212 419 968 Fax: 213 163 488 email: info@casaapoioaosemabrigo.org
CEPAC – Centro Padre Alves Correia
Sede Institucional: Rua Dona Estefânia, 124, 1º, 1000-158 Lisboa
Tel: 213.973.030 Fax: 213.951.280 e-mail: director.tecnico@cepac.pt
www.cepac.pt.


Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

0 comentários :

Enviar um comentário