quarta-feira, 18 de julho de 2018

Eutanásia - O Que Está em Causa?

A atualidade política está enriquecida por novas discussões, que outrora eram de todo impensáveis, entre os mais novos temas de debate, tem sido cada vez mais discutida de forma visível a eutanásia, que é também a que se revela um dos maiores dilemas, entre a vida e a morte, entre os valores morais e éticos.
No passado, em que a medicina não era claramente capaz de subtrair o sofrimento humano, a morte era quase sempre sofrida e dolorosa, a esmagadora maioria das pessoas morriam em casa, e a velhice muitas vezes não ultrapassava os 60 anos, inclusive, a alternativa para o sofrimento insuportável, era sem dúvida o suicídio, que apesar de tudo era socialmente condenável, suicidaram-se por motivos de saúde o poeta português Antero de Quental e o escritor estadunidense Ernest Hemingway; hoje ao contrário, a medicina conquistou avanços substanciais no que concerne a permitir um melhor conforto no fim de vida, os cuidados paliativos tornaram-se mais eficazes, mas também a medicina preventiva e os avanços tecnológicos permitiram uma maior longevidade às gerações mais recentes, portanto, é aqui que reside a contradição deste novo discurso de ordem "Pró-Eutanásia", porque é que precisamente agora em que os cuidados e o acesso à medicina evoluíram, que se procura legalizar e normalizar a eutanásia e o suicídio assistido?
O debate promete ser em todo o lado, aceso, até porque uma das parcelas que mais tem crescido na pirâmide populacional é a população idosa, acima dos 65 anos, que fazem parte da chamada terceira idade, mas também há cada vez mais, e em boas condições de saúde, a quarta idade, que é composta por pessoas acima dos 85 anos de idade, claro que em ambos os casos a população feminina é maioritária, porque a mortalidade é maior nos homens do que nas mulheres; demografia à parte, o importante é que se trata de uma parte da população que é eleitora e tem uma resposta a dar, não se trata mais de serem os filhos ou os netos a decidir por eles em caso de referendo, assim os prós do lado dos que sofrem na doença e as razões contrárias do lado dos valores morais e éticos, são debatidos apaixonadamente por muitos, mas ainda assim, são evitados por uma esmagadora maioria silenciosa. Será esta uma nova moda, podemos considerar que seja um discurso ou pensamento humanista?
Posta a questão introdutória acima, o tema da Eutanásia é sobremaneira um tema político, todavia, não se pode deixar que caia nas malhas do discurso ideológico, que se torne um assunto sequestrado por correntes partidárias, porque isso retira todo o sentido da sua importância no espaço público, não se é de esquerda ou de direita porque se está a favor ou contra a eutanásia, não se é progressista ou conservador porque se defende o suicídio assistido ou a proibição da eutanásia, este tipo de temas que inclui valores morais como o aborto ou a mudança de sexo, não cabem na limitada compreensão dos jogos político-partidários.
Ver a eutanásia como panaceia não nos deve impedir de compreender que se trata de mais uma forma de violência, tal como é violento o tiro de misericórdia, como é violenta a palmada que a parteira desfere no bebé recém-nascido, tal como é violenta a dor e a doença que consomem o ser que padece, tal como é violenta a cultura de massas, como são violentas as noticias que mostram como natural a violência da guerra, da fome, como são violentos os meios de comunicação que impõe a cultura da violência, mas também é muito violenta a sociedade que reduz tudo a números de estatística com discursos de eficácia e eficiência, tornando obsoletos os que já não produzem, os que já não fazem falta, os que já por vezes nem podem se defender ou dizer que não (os idosos acamados, os doentes terminais, os tetraplégicos). Assim, podemos aferir por analogia que Stephen Hawking teria uma palavra a dizer contra a eutanásia, reforçando com o exemplo de vida de Nick Vujicic, um palestrante jovem que nasceu sem pernas e sem braços, todavia tornou-se psicólogo motivacional.

Assim, é importante que vejamos que a par de melhorias tecnológicas, económicas, financeiras, cientificas e sociais, tem-se sentido um aumento de um discurso redutor e pouco claro, mas que contém na sua génese uma filosofia de mudança de paradigma social, que por um lado fala abertamente de direitos, mas por outro esconde o que está por trás, resta perguntar, quem iria faturar e ganhar com a eutanásia? sabendo que hoje os doentes terminais e os idosos custam ao Estado uma boa fatia da Despesa Pública com gastos de saúde, pensões e demais apoios sociais.


Autor: Filipe de Freitas Leal

Contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Reacções:

2 comentários:

gilcelia lima disse...

Perfeito tema

gilcelia lima disse...

Otimo artigo..

Enviar um comentário

Twitter Facebook blogger E-mail Print Friendly Favorites More

 
Projeto gráfico pela Free WordPress Themes | Tema desenvolvido por 'Lasantha' - 'Premium Blogger Themes' | GreenGeeks Review