Raif Badawi o Direito de Ser Blogger

Somos todos Raif Badawi, se acreditamos que a liberdade de expessão é um direito inalienável da Pessoa Humana, então todos somos Raif Badawi.

O Humanismo

O Humanismo mais que uma ideologia é uma praxis ao alcance de cada um de nós, somos chamados a fazer o que estiver ao nosso alcance e de acordo com as nossas possibilidades em prol do bem comum.

A Terceira Idade e a Cultura Intergeracional

A revolução grisalha, e a cultura de uma sociedade intergeracional, juntanto-se a todo o conjunto de uma cultura de inclusão, a força da juventude e a sabedoria da idade produzem um mundo novo.

Solidariedade Social

A solidariedade social, mais que comunhão de esforços em prol de causas é o dar-se em prol dos nossos semelhante, é um dos temas centrais deste blog,.

Trabalhos Académicos, do Serviço Social e Sociologia à Ciência Política

Desde 2010 que o Etcetera, disponibiliza para consulta, um conjunto de estudos académicos de várias áreas da ciência, como sociologia, psicologia, ciência política, economia social entre outras.

Sugestões de Leitura - Lista de Livros

Lista de Livros, sugestão dos mais importantes da Literatura Universal e Humanista, o mais importante é ler bons livros e não sermos guiados pelos livros da moda.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Turquia - A Encruzilhada Política

Ancara vive uma encruzilhada política imposta pela tentativa falhada de Golpe de Estado, levado a cabo pelos militares que pretenderam derrubar o Presidente Erdogan e o Primeiro Ministro Ildyrim, ambos do AKP, a fim de por cobro às crescente influência da religião na vida política e social do país, mas também para defender e repor os valores da Constituição que segundo os militares golpistas não tem vindo a ser respeitado por Erdogan.
Claro que a grande maioria dos líderes mundiais condenou imediatamente a tentativa de golpe, era previsível que assim fosse, é considerado politicamente correto, mas em Política nem tudo é o que parece, é natural que no fundo alguns políticos digam o contrário daquilo que pensam e sentem face à Turquia, a aproximação de Erdogan à Religião na vida política incomoda a Europa, sobretudo numa época de combate ao terror e ao fanatismo faz com que as ideias e as atitudes do líder turco sejam naturalmente incómodas, até mesmo dentro da Turquia em vários setores económicos e intelectuais que defendem uma integração com a União Europeia, apesar disso os partidos da oposição foram para as ruas manifestar-se contra o golpe,  uma atitude de precaução prevendo a vitória militar de Erdogan e a influência que isso acarreta agora para a vida política e militar, assim em qualquer caso, os partidos nas ruas, defenderam no fundo a democracia.
Erdogan que é acusado de desvios ideológicos contrários aos valores tradicionais de uma Turquia laica, bem como é acusado de abuso de poder e autoridade ao perseguir lideres oposicionistas, ataque à liberdade de imprensa e de uma política externa desastrosa e perigosa, não só para a Turquia, como também para aos Estados Unidos e a OTAN com alguns acidentes diplomáticos inconvenientes e desnecessários contra a Rússia e em provocações contra Israel.
Resta contudo, saber se este fenómeno político que foi o Golpe de Estado em Ancara, terá sido só uma iniciativa interna dos militares, e sobretudo se terá sido um exercício para observar fragilidades e derruba-lo num futuro golpe, é previsível por outro lado que tenha partido do exterior, tentando influências os resultados no tabuleiro do Xadrez da Geopolítica do Médio Oriente, numa guerra sem fim à vista na Síria e de um terrorismo cada vez mais feroz, que fere inclusive os verdadeiros valores do islão, esta é a pergunta que se coloca, muitos apostam que sim, e caso não seja essa a natureza do golpe, creio que muita gente teria esfregado as mãos de contente com a queda do ditador Erdogoan.

Autor: Filipe de Freitas Leal

Contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

França - Terror e Morte no 14 de Julho


Mais um atentado terrorista em França, desta vez em Nice, que fica na Região de Provença-Alpes e Costa Azul (Cotê D'Azur), é o terceiro grande trauma desde o atentado ao Semanário Charlie Hebdo e ao supermercado Kosher em Paris, ocorrido em janeiro de 2015 e aos ataques de Paris em novembro do ano passado.

Os atentados de ontem, vitimaram 84 vitimas mortais, 16 dos quais de confissão judaica, deixou ainda centenas de feridos, alguns em estado grave, e um rasto de destruição por onde o terrorista de confissão muçulmana terá passado, atropelando e abalroando os pedestres, esta foi a data mais sombria do 14 de julho, data que comemora os valores da Liberdade, Igualdade e Fraternidade da Revolução Francesa de 1789 e que estão na base e na génese dos regimes democráticos e progressista.

O que quer dizer este atentado, o que pretende este "Poder Errático", senão o de levar a Europa ao desespero e ao preconceito abraçando a ideologia da guerra contra anti-islâmica, incluindo a intolerância e a exclusão. Claro que não é nem será de longe, esse o caminho escolhido pelo Mundo Ocidental, antes pelo contrário a solução é colocar os países Islâmicos e os lideres do islão no mesmo barco, na guerra total contra o Terrorismo.

Os valores Ocidentais da "Fraternidade, Igualdade e Liberdade", são mais fortes, o Ocidente jamais se curvará perante o fanatismo religioso, nem tão pouco embarcará pelos caminhos da exclusão. Os valores Ocidentais são laicos, porque baseiam-se no respeito por todas as crença e convicções numa só civilização, a da Tolerância e da Inclusão, contra o obscurantismo da ignorância, cuja arma é o Terror

Autor: Filipe de Freitas Leal

Contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Cantinas Sociais no Brasil - Bom Prato

O "Bom Prato" é a iniciativa de apoio alimentar, das políticas sociais do Governador do Estado de São Paulo no Brasil, Geraldo Alkmind, do PSDB (centro-esquerda), que entendeu que devido ao recrudescimento da crise econômica e social, trata-se de uma rede de Cantinas Sociais, ao todo são 51 unidades, das quais 21 estão situadas em São Paulo, a Capital do Estado, e as restantes encontram-se espalhados pela grande maioria dos municípios paulistas, como, Campinas, Piracicaba, Limeira, entre outros.

Ao todo as cantinas sociais, atendem um vasto público pela módica quantia de apenas um real por refeição completa, o equivalente a 0,25 , num total de 85 mil refeições por dia, tem-se vindo a observar que devido à crise, a procura aumentou.

Autor: Filipe de Freitas Leal

Contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Nove Anos do Blog - Obrigado a Todos

Ainda são poucos anos, uma idade tímida se de uma pessoa se tratasse, mas para um blog, 9 anos consecutivos são motivo de comemoração e ao mesmo tempo de incentivo para continuarmos a "debater ideias e a defender causas".

Surgiu a 12 de julho de 2007, como "Critica e Humanismo", passou em 2009 a chamar-se "O Blog Humanista" e depois de uma reforma que surgiu no ano passado, adotamos o nome de Etcetera - o blog humanista, hoje passados 9 anos, podemos dizer que vamos continuar, mas hoje vamos iniciar uma reformulação e melhoria do conteúdo mantendo a qualidade e seriedade que caracteriza este blog que também é seu, "se a perseverança é o nosso modo de ser, aceitar desafios é o nosso modo de estar".

Autor: Filipe de Freitas Leal

Contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Euro 2016 - Parabéns Portugal

Parabéns a Portugal e a 11 milhões de portugueses, representados no onze que dirigido por Fernando Santos e tendo como líder Cristiano Ronaldo, souberam levar a seleção verde rubra à vitória do Euro 2016 sobre a França que era a anfitriã e favorita num jogo que se adivinhava difícil, mas no qual Portugal mostrou ser a surpresa total, na mãos defensivas de Rui Patrício que impôs à França uma prorrogação na qual tudo era possível, sobretudo pela ávida vontade de ganhar de cada um dos lados, mas que só no pé certeiro de Eder foi possível concretizar um sonho de décadas das várias gerações de portugueses, sobretudo com o apoio sempre presente do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Não sou apreciador de futebol, sobretudo a competitividade clubística, mas gosto de ver o ânimo que um campeonato entre nações  é capaz de levantar o animo e a moral de um povo, sem esquecer o exemplo do desportivismo que os portugueses e os franceses mostraram no final do jogo, o respeito por quem ganha e por quem perde.

Autor: Filipe de Freitas Leal

Contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Morreu o Visionário Alvin Toffler


Alvin Toffler, estadunidense, escritor, sociólogo por inerência e professor universitário, faleceu no dia 27 de junho de 2016 aos 84 anos autor de dois importantes livros que lançaram a analise do fim da Sociedade industrial e trouxeram à luz da razão, o que já se vislumbrava com o surgimento da informática, com o Choque do Futuro e a Terceira Vaga, Toffler revela com clareza a morte lenta e inevitável da industrialização e o surgimento de uma sociedade totalmente diferente, informatizada, globalizada, com o apogeu das comunicações e do setor terciário sobre o setor industrial.

Seguiram-se outros importantes autores, revelando de uma forma muito semelhante as mudanças sociais e económicas que desde os anos 50 do século XX, um deles foi o Toinsbi, com o seu livro Megatrends, as grandes tendências, em que o autor revelava as mudanças estruturais, funcionais, culturais que determinariam a nova Era.

Autor: Filipe de Freitas Leal

Contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Brexit - A Escolha Certa a Longo Prazo


A vontade dos britânicos em estar sempre de lado, nas importantes decisões da União Europeia, nomeadamente no que concerne às suas moedas nacionais, a Libra inglesa e a libra escocesa, ou o espaço Schengen, fez prever o inevitável, a saída do Reino Unido da União Europeia, a pergunta é “poderia ter sido evitado? Sim poderia, mas para que o Brexit não acontecesse, a União Europeia teria de ter mantido uma política de cariz social, ainda que de fundo económico, e ter promovido políticas de rosto humano e solidário, o que não aconteceu nos últimos tempos, lembremo-nos da pressão feita contra a Grécia e Portugal.
A União Europeia, tornou-se o símbolo de um capitalismo de um Meta-Estado, onde salvar a banca privada e falida, à custa dos trabalhadores, e da perda de direitos sociais, notou-se como sendo mais importante do que salvar os valores que após a II Guerra Mundial teriam levado a Alemanha Ocidental, a França, a Itália e o Benelux (Bélgica, Holanda e Luxemburgo) a constituir em 1954 pelo tratado de Roma, a CECA Comunidade Económica do Carvão e do Aço, que foi a origem económica do projeto politico da CEE Comunidade Económica Europeia, à qual se juntaria em 1973 o Reino Unido, na altura sob os auspícios do Primeiro-Ministro do Labor (trabalhista) Harold Willson (1964-1970) e tendo a entrado oficialmente no governo dos Tories, conservadores de Edward Heath (1970-1974).
A saída do Reino Unido, apesar de gerar um choque, até mesmo interno, é no fundo a prelúdio de um Estado que recupera a sua soberania, e que mais tarde ou mais cedo revelar-se-á como a melhor escolha que os britânicos fizeram a par com a Noruega.
Pena é que muitos dos eleitores, votaram pelo Brexit, por motivos nacionalistas e baseados no medo da crescente influencia muçulmana, mas as razões do referendo fizeram-se impor pelas políticas ferozes que partem de Bruxelas há anos, e que distanciam-se do cariz social-democrata do socialista Jacques Dellors.
Recentemente no Parlamento Europeu, o Presidente da Comissão Europeia, Jacques Santer, teceu comentários duros dirigindo-se aos deputados Britânicos, que o aviam aplaudido, dizendo-lhes que “esta é a ultima vez que iriam aplaudir no hemiciclo de Estrasburgo” além do que não entendia porque ainda estariam lá, “se votaram para sair, saiam logo, não deveriam nem ter comparecido no Parlamento”. Palavras duras, escusadas e de um teor arrogante que revelam a natureza dos tecnocratas europeístas do Eurogrupo e da comissão europeia.

Autor: Filipe de Freitas Leal

Contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.