10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

As Origens e a História do Idioma Hebraico

O Hebraico é uma língua semítica, falada por aproximadamente dez milhões de pessoas em todo o mundo, é atualmente oficial em Israel, e é falada em comunidades judaicas espalhadas pelo mundo, é além disso utilizada como língua litúrgica da religião judaica.
Trata-se de uma língua do ramo afro-asiático, semítico e cananeu, que se desenvolveu no oriente-médio, mais precisamente na antiga Judeia, o termo hebraico, vem de hebreu, o povo que veio da Babilónia, atravessou o rio Jordão e se estabeleceu em Canaã, mais tarde, migra para o Egito e de lá sob a liderança de Moisés (Moshê) e Aarão (Aaron), sai à conquista da Terra Prometida já sob a liderança de Josué (Yeoshua), é nessa terra recém conquistada que se desenvolve o hebraico, ou seja aproximadamente há cerca de 3.500 anos.
O hebraico começou por ser um dialeto que surgiu de idiomas do Crescente Fértil da Mesopotâmia, e recebeu diretamente influencia do Fenício, mais tarde, outros dialetos que se desenvolveram de igual modo, assemelham-se muito ao hebraico, é o caso do aramaico, há também semelhanças com outras línguas semitas.
Para se estudar e compreender a história do idioma hebraico, divide-se a mesma em períodos ou fases,[1] atualmente as pessoas conhecem a divisão simples, por Hebraico Bíblico e por Hebraico Moderno, mas na realidade é mais complexo e profundo, pelo que temos os seguintes períodos, a saber:
·       Período Arcaico, no qual se escreveu a Torá ou partes da mesma, que vai do Século XIII ao Século X. AEC (Antes da Era Comum).
·       Período Clássico, que vai do Século X ao Século VI AEC, no qual foi escrito Josué, Juízes, I e II livros de Samuel, entre outros.
·       Hebraico Tardio, vai do Século VI ao II AEC, nos quais se escreveu, Rute, Esther, Crónicas, entre outros.
·       Período de Qumran, do Século II AEC ao Século II EC. Desenvolvimento da Tanack.
·       Período Talmúdico, do Século II ao X, EC, desenvolvimento do Talmud, tanto da Mishná (repetição) como da Guemará (complemento).
·       Período Medieval, Séculos X a XV, onde se desenvolveu a Cabala, livros como o Zohar, dos escritos e Maimonides, Rashi entre outros sábios, e é o período no qual  foram criados os sinais massoréticos, que preservam os sons vocálicos do hebraico.
·       Período Moderno, o hebraico tal como se fala hoje em Israel.
O hebraico como qualquer outro idioma, sofreu a influencia de outros idiomas, que se impuseram no território da Judeia, como o grego, e o latim, contudo após a Guerra Romano-Judaica, de Bar Kockba em 138 da EC, os judeus foram expulsos da sua terra, ficando apenas um remanescente, a diáspora deu-se por todas as províncias do Império Romano, da Anatólia a Sefarad (Hispânia, que hoje são a Espanha e Portugal) indo ao norte da Europa a Germânia e a Gália. A realidade da diáspora era a de um judaísmo sem o Templo que havia sido destruído, e portanto sem os sacerdotes e os serviços litúrgicos do II Templo, dito de Herodes, restaram apenas os rabis ou os cohanim (sacerdotes) que passaram a fazer o papel de rabbis na instrução das comunidades da diáspora.
No I Século da EC. Já a população da Judeia não falava hebraico, apenas os cohanim, os escribas e os rabbis é que o sabiam ler, escrever e falar, e foram eles que perpetuaram a língua sagrada da Tora até aos nossos dias, o hebraico foi-se perdendo pouco a pouco, até ser considerada uma língua morta.
No lugar do hebraico desaparecido, ou no que se tornou o hebraico, senão uma língua meramente litúrgica e com caracteres hieroglíficos, ou seja escrita sagrada, surgiram dois importantes idiomas, um é o ladino, uma língua românica cuja raiz gramatical é semelhante ao castellano, utilizava os caracteres hebraicos com fonética e palavras oriundas do castellano, tendo sido falada nas comunidades judaicas de Sefarad (Portugal e Espanha) precisamente pelos judeus sefarditas, que foram expulsos de Espanha em 1492 pelo decreto de Alhambra, tendo a maioria se refugiado em Portugal, mas o rei de Portugal D. Manuel I, vê-se obrigado a aceitar a imposição dos reis católicos de Espanha Isabel de Castela e Fernando de Aragão, que por um tratado de paz, e aliança por meio de um casamento, exigem do rei de Portugal a expulsão dos judeus, como forma de uma limpeza étnica, religiosa e cultural no seio da cristandade. Assim em 1497, os judeus são expulsos de Portugal, indo inicialmente para o Império Otomano, onde é hoje a Turquia, a Holanda, onde foram morar os pais do filósofo Espinosa, e outros foram para Inglaterra, da Holanda rumaram para o Novo Mundo, onde a Primeira Sinagoga em solo estadunidense foi feita por judeus portugueses, levando o idioma ladino, tanto na liturgia como na música.
No norte da Europa, mais precisamente onde é hoje a Alemanha, surgiu um idioma judaico, denominado de Ydish, falado pelos judeus askenazim, termo que deriva de Askenaz, que significa precisamente Alemanha, portanto o Ydish é um idioma judaico que utiliza os caracteres hebraicos, tendo a fonética germânica.
Devido ao desaparecimento do hebraico como lingua viva, ou seja falada e mantida ativa por uma população, e  sobretudo à ameça que pairava sobre a possível perda do conhecimento do idioma sagrado e do modo correto como se deveriam pronunciar as palavras do hebraico gravadas pelos escribas (sofers) na Tora, foram criados os sinais massoréticos, sinais gráficos colocados debaixo de cada caractére hebraico indicando a vogal e assim mantendo vivo a pronuncia correta das palavras da Tora, bem como das rezas das três principais orações diárias.
Os pogroms sofridos pelas comunidades judaicas em toda a Europa, fizeram reacender no fim do século XIX o desejo de uma Pátria judaica, que fora idealizada por Theodor Hertzl, e politicamente apoiada pela Declaração de Balfour, que reconhecia o direito de os judeus terem uma pátria livre, inclusive de regressarem à Palestina, a antiga Judeia, essa onda de renascimento nacionalista, denominada de Sionismo faz surtir a unidade dos judeus, pelo que por consequência acabou por apoiar o surgimento do idioma comum a todos os judeus.
Foram os esforços de um linguista e poliglota russo, nascido no seio de uma família judaica, cujo nome de registo era Yrzack Perlman, mas autodenominou-se de Eliezer Ben-Yehudá, que por ter sido aluno de uma Yeshiva, e ter estudado ao máximo o hebraico bíblico e litúrgico para vir a ser rabbi, pelo que sonhava em poder fazer renascer a língua hebraica e torna-la uma língua viva, essa passou a ser a sua obra, o seu ideal, pelo qual se bateria toda a vida.
Inicialmente Eliezer Bem-Yehudá, não fora levado a sério, pelo que consideravam os seus esforços sem valor, e infrutíferos, mas o movimento sionista deu fôlego aos sonhos de Eliezer, que vivendo na Palestina, promoveu pouco a pouco o hebraico entre os judeus, de tal modo que em 1948 quando Israel ressurgiu dois mil anos depois como um País independente e soberano, já os judeus da Palestina falavam hebraico, e muitos outros na diáspora desenvolviam esforços para seguir o mesmo caminho.
Hoje a maioria das comunidades na diáspora não fala fluentemente o hebraico, apenas uma minoria, mas o idioma tem vindo a ser estudado até mesmo por não judeus, sobretudo devido aos estudos bíblicos efetuados por cristãos de diferentes correntes.


[1] Francisco, Edson de Faria (2009) “Língua Hebraica, aspectos históricos e caraterísticas” São Bernardo do Campo. SP. Brasil.


Autor Filipe de Freitas Leal


Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.



0 comentários :

Enviar um comentário