10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

sábado, 24 de outubro de 2015

Sectarismo de Cavaco Agrava Crise Política

O Presidente de Portugal, Cavaco Silva, agravou a crise política em que o país está mergulhado, indigitando para o governo o atual Primeiro-ministro Passos Coelho da coligação de direita, entre os Néo-liberais do PSD e os Democratas-cristãos do CDS, sem que estes tenham apoio parlamentar suficiente; não se limitando apenas a esse ato, o presidente discursou com um tom arrogante, e ameaçador fechando a porta a um possível governo de esquerda, maioritária no parlamento, composto pelas bancadas socialista (PS), bloquista (BE) e comunista (PCP-PEV), acusando-os de defenderem a saída do euro e a saída da OTAN.
Alertou ainda a que os socialistas sejam responsáveis, num apelo aos deputados para que votem em consciência em vez de votar em bloco, o que se leu como um incentivo à cisão interna do PS.
A atitude de Cavaco Silva gerou contestação e divisão na sociedade portuguesa em dois pólos ideológicos, esquerda x direita, e devido a isso fez com que o PS e toda a esquerda se unissem, o que faz com que o governo seja incapaz de governar.

Para muitos comentadores na imprensa e na televisão, Cavaco Silva, agiu de modo faccioso, irresponsável e com mero espírito de matilha ao favorecer apenas os interesses do seu partido em lugar dos interesses da nação e dos portugueses.

Autor Filipe de Freitas Leal


Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

1 comentários :

Creio que o Teatro Político que estamos a ver, em Atos, que vão da paródia à Tragicomédia, venha de um polvo fora de Portugal, e de dimensões nunca antes vistas, pois os blocos económicos produziram um monstro político, e o Meta-Estado superou o poder limitado das ideologias circunscritas na fronteira tal como os tratados superam as constituições.
Os tentáculos do monstro, ocorrem com a obra e graça do Big Brother Orweliano, da Teia (web) a que todos estamos expostos e adentra assim no Teatro da encenação por Atos falhados, de faz de conta democráticos, e que de golpe palaciano em golpe constitucional, impõe-nos os seus interesses mórbidos, que visam somente o poder e o lucro em si mesmos, são vazios de missão, carecem assim de vida, de ideal e ética.

Enviar um comentário