quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Eduardo Galeano - O Medo Ameaça-nos

O medo ameaça:
Se amas, terás SIDA,
Se fumas, terás cancro,
Se respiras, terás contaminações,
Se bebes, terás acidentes,
Se comes, terás colesterol,
Se falas, terás o desemprego,
Se caminhas, terás a violência,
Se pensas, terás a angustia,
Se duvidas, terás a loucura,
Se sentes, terás solidão.

Para ter fôlego, é preciso ter desalento,
Para levantar-se, há que saber cair,
Para ganhar, há que saber perder,
E temos que saber que é assim a vida,
E que cairás e te levantarás muitas vezes,
E alguns caem e não se levantam nunca mais.
Geralmente esses são os mais sensíveis,
Os mais fáceis de se magoar, vilipendiar,
São as pessoas, a quem a vida é mais sofrida,
São as gentes mais sensíveis, mais vulneráveis,

Em contra-partida, há os "filhos da mãe"
Que se dedicam a atormentar a humanidade,
Vivem à grande, e parece que não morrem nunca,
Porque na verdade, não têm uma glândula
Que aliás é rara, e chama-se consciência,
É essa glândula que nos atormenta à noite.

Creio que o exercício da solidariedade,
quando se pratica de verdade no dia-a-dia
é também um exercício de humildade,
que nos ensina a reconhecermo-nos nos demais,
E a descobrir a grandeza por detrás das coisas pequenas,
O que implica também denunciar
A falsa grandeza das coisas grandinhas.
Num mundo que confunde a grandeza com o grandinho.


Autor Filipe de Freitas Leal


Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

0 comentários :

Enviar um comentário