Raif Badawi o Direito de Ser Blogger

Somos todos Raif Badawi, se acreditamos que a liberdade de expessão é um direito inalienável da Pessoa Humana, então todos somos Raif Badawi.

O Humanismo

O Humanismo mais que uma ideologia é uma praxis ao alcance de cada um de nós, somos chamados a fazer o que estiver ao nosso alcance e de acordo com as nossas possibilidades em prol do bem comum.

A Terceira Idade e a Cultura Intergeracional

A revolução grisalha, e a cultura de uma sociedade intergeracional, juntanto-se a todo o conjunto de uma cultura de inclusão, a força da juventude e a sabedoria da idade produzem um mundo novo.

Solidariedade Social

A solidariedade social, mais que comunhão de esforços em prol de causas é o dar-se em prol dos nossos semelhante, é um dos temas centrais deste blog,.

Trabalhos Académicos, do Serviço Social e Sociologia à Ciência Política

Desde 2010 que o Etcetera, disponibiliza para consulta, um conjunto de estudos académicos de várias áreas da ciência, como sociologia, psicologia, ciência política, economia social entre outras.

Sugestões de Leitura - Lista de Livros

Lista de Livros, sugestão dos mais importantes da Literatura Universal e Humanista, o mais importante é ler bons livros e não sermos guiados pelos livros da moda.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Páginas Soltas ao Vento - Filipe de Freitas Leal

Foi editado em livro, pela Amazon.com, o conjunto de poemas que foram sendo postados aqui no Blog Humanista desde 2007, e que está dividido em três partes, a primeira é Poemas, contendo um conjunto de 50 dos poemas, segue-se Pensamentos Soltos, que tem um conjunto de 37 aforismos, de frases e pensamentos postados nas redes sociais, e por fim, temos Pensamentos sentidos, contando com cerca de 20 textos escritos sobre pensamentos publicados na blogosfera ao longo destes oito anos.

O objetivo inicial da publicação deste livro, foi a forma de proteger os poemas, editados no blog de forma aberta, obtendo assim o registo e a patente dos mesmo, garantindo os direitos de autor.

A edição foi feita pela CreateSpace, da Amazon.com, que atribuiu o ISBN (International Standard Book Number), a distribuição de vendas é feita via internet na Amazon dos EUA, Reino Unido e Europa. Outros canais de distribuição só estarão disponíveis dentro dos próximos dois meses, o livro é comprado pelos valores abaixo mais portes de envio.

Amazon.com (USA) - $ 10,00 
Amazon.co.uk (Reino Unido) - £ 6,00
Amazon.es (Espanha/Europa) - € 5,00
No Brasil o livro será vendido a - R$ 22,00

Por Filipe de Freitas Leal

contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Estado Islâmico às Portas da Europa

As imagens do video divulgado pelo EI Estado Islâmico, são chocantes, mostram 21 egípcios coptas, que foram capturados na Líbia e decapitados pelo simples facto que são cristãos.

O presidente egípcio Sisi, diz que o Egito vai vingar a morte dos seus cidadãos, que se encontravam a viver e trabalhar na Líbia, num ato em tudo semelhante ao que o Rei da Jordânia fez, em declarar guerra aberta e total contra o Estado Islâmico.

Há no entanto um aspecto muito importante que tudo isto revela, é a aproximação geográfica do Estado Islâmico à Europa, tudo isto está a ser feito com o objetivo de propagar o medo.

"Uma mensagem marcada com sangue para a nação da cruz" é o que é dito no video por um dos executores num tom ameaçador para o centro do cristianismo, que é Roma, e que simboliza a civilização europeia.

Por Filipe de Freitas Leal

contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Governo Português Posicionou-se Contra a Grécia

Milhares Saem às Ruas em Favor da Grécia e Contra Cavaco e o Governo.
Cavaco Silva afirmou esta semana que "A Grécia não pode fazer o que bem entende, e não pode fugir às suas responsabilidades", afirmações que passaram ao lado dos governantes gregos, obviamente preocupados com quem interessa de facto, e não com um país periférico como Portugal, em todos os sentidos.

As afirmações do Presidente português são infelizes, incompreensíveis, levando a política portuguesa ao mais baixo nível de sempre, na medida em que Portugal também sentiu o peso da oposição finlandesa ao empréstimo para ajudar a economia nacional, estando a fazer ainda pior que os finlandeses, as posições oficiais de Cavaco e de Passos Coelho, são totalmente desprovidas de lógica, e dão a entender que poderá estar a satisfazer interesses de outros países europeus a usar Portugal para pressionar a Grécia.

Em contrapartida o povo português é totalmente solidário com a Grécia, e milhares de portugueses, sentindo-se envergonhados com a posição dos seus governantes, saíram às ruas hoje, em todo o País, para demonstrar  a sua solidariedade com o povo grego e pediram a saída de Passos Coelho do governo, bem como exigiram o silêncio do Presidente da república, visto que não governa e nem é o responsável pela pelas relações externas, e cuja opinião não coincide com a vontade dos portugueses de acordo com uma sondagem do semanário Expresso que apoiam Grécia e estão contra a Alemanha e as políticas de Bruxelas.

Se esta posição se mantiver e se bloquearem um acordo, levando o projeto europeu a falhar, e causando o afastamento da Grécia para fora do Euro, a culpa será em parte do governo português, que impediu uma solução mais rápida, opondo-se à renegociação da divida, facto ocorrido na reunião de ministros das finanças dos países comunitários, adiando assim a solução final para segunda feira dia 16 de fevereiro, o que põe em risco a coesão da Europa, e deita por terra o principio da solidariedade entre os países da UE.

As posições da França, em termos de abertura para a negociação do pagamento da divida, foi bem aproveitada pela Irlanda, que quer aproveitar a onda para renegociar a sua divida, algo que Portugal também deveria aproveitar e assim sair toda a União Europeia a ganhar, com politicas de coesão e solidariedade entre os Estados, e assim dar uma nova orientação politica e económica à Europa.

O Professor Marcelo Rebelo de Sousa nos seus comentários ao telejornal da TVI de domingo (Jornal das 20), afirmou crer que tanto o Presidente da República como o Primeiro Ministro fizeram afirmações infelizes, mas crendo que estariam a tentar não desagradar a opinião pública, que tantos sacrifícios terá feito, no entanto o que as afirmações do Professor Marcelo revelam, é que está já num discurso de corrida pré-eleitoral, às eleições presidenciais de 2016, e procura não ferir susceptibilidades à direita, a área que o irá apoiar nessa campanha e nem à esquerda, com quem o Próximo Presidente da República poderá certamente ter de conviver numa situação dita de coabitação política.

Contudo o argumento não pegou na opinião publica, visto que, em política as pessoas não são ingénuas, o que motivou as autoridades portuguesas a tomar uma posição tão dura contra a Grécia ainda é desconhecido, provavelmente terão sido instrumentalizados como forma de pressionar e isolar a Grécia, visto Portugal ter sido um país que cumpriu muito mais do que a Troika havia exigido ao governo em termos de reformas e cortes nas despesas.

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Europa - Uma Tragédia Grega

A Europa precisa de um novo paradigma para salvar a União
Após o resultado da esquerda radical nas eleições gregas, os políticos europeus viraram as atenções, para a negociação que se desenvolverá doravante com o novo governo grego, disposto a corrigir o rumo político e económico, e resolver a crise social e humanitária que se abateu sobre o seu país, pela política de austeridade económica, imposta pela troika, que no fundo salvou apeans os bancos mas manteve a Grécia em permanente situação de insustentabilidade, ao não permitir uma retoma económica sustentável.
As negociações começaram, com os périplos de Tsipras e Varoufakis às capitais das potencias europeias, pelo que as tensões fizeram-se sentir durante as conversações, no entanto os mercados reagiram bem à vitória do Syriza, e saudaram como positivas as reformas de Tsipras na redução de benefícios aos políticos.
Uma pedra no sapato das negociações chamada "Portugal"
O que o Presidente da República e o Primeiro Ministro de Portugal estão a fazer à Grécia, não o poderão fazer em nome do povo português, visto que os portugueses estão em total solidariedade com o povo grego, e acreditam que como a Irlanda, Portugal deveria aproveitar a boleia grega para a renegociação da dividia e da sustentabilidade da economia, permitindo que para se pagar a divida, deve-se ter em primeiro lugar uma economia de crescimento e justiça social.
Não se compreende de todo, porque é que os governantes portugueses tomaram uma atitude de arrogância e hostilidade com um país em apuros, sobretudo quando não estão mandatados para o fazer e em que Portugal nada tem a ganhar com isso.
"A Grécia não pode fazer o que lhe apetece" afirmou Cavaco Silva, com uma atitude que demonstra falta de inteligência política, falta de respeito, sendo uma atitude deplorável, vergonhosa e incompreensível, levando a política externa portuguesa ao mais baixo nível de sempre.

Quando Portugal precisou de apoio da UE, a Finlândia opôs-se, e é ai que temos de nos colocar no lugar dos gregos, hoje é a Grécia, amanhã seremos nós de novo.

Autor Filipe de Freitas Leal

contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

O Reacendimento do Antissemitismo na Europa

Helle Thorning-schmidt depoisitando flores na sinagoga

Copenhaga viveu um fim de semana de terror, visto ter havido ataques terroristas num Centro Cultural da capital dinamarquesa, onde se encontrava o embaixador de França, e um famoso cartoonista sueco, perseguido por uma fátua,(sentencia da pena capital, proferida por um imã) por ter desenhado o profeta Maomé como sendo um cão.

Este foi o primeiro atentado de ontem, tendo feito uma vitima mortal e três policias feridos.

Segui-se o terror com o atentado ainda na capital a uma sinagoga, por volta das 2h00 da madrugada, da qual uma pessoa perdeu a vida e duas ficaram feridas, e cinco policias ficaram feridos. Não é claro que ambos os ataques estejam ligados entre si, ma tudo indica que no primeiro há claramente um cariz de fundamentalismo islâmico, e no segundo atentado um claro objetivo antissemita. O autor dos atentados foi abatido, e estão-se a proceder a investigações sobre a natureza e o móbil deste atentado.

O que mais há a lamentar é que a médio prazo, a maior vitima destes atentados todos, seja a tolerância, mesmo que o objetivo dos ataque seja em primeira análise contra a opinião pública ou a comunidade de confissão judaica, o objetivo é claramente a de criar um estado de medo e convidando-nos para lutar no campo que só os fundamentalistas conhecem: a vingança e o ódio, e isso não poderá ser feito, há que manter a união dos povos de uma Europa pluricultural.

A Primeira-Ministra dinamarquesa Helle Thorning-schmidt, afirmou "faremos de tudo para proteger a comunidade judaica do nosso país", 

Por Filipe de Freitas Leal

contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.