Raif Badawi o Direito de Ser Blogger

Somos todos Raif Badawi, se acreditamos que a liberdade de expessão é um direito inalienável da Pessoa Humana, então todos somos Raif Badawi.

O Humanismo

O Humanismo mais que uma ideologia é uma praxis ao alcance de cada um de nós, somos chamados a fazer o que estiver ao nosso alcance e de acordo com as nossas possibilidades em prol do bem comum.

A Terceira Idade e a Cultura Intergeracional

A revolução grisalha, e a cultura de uma sociedade intergeracional, juntanto-se a todo o conjunto de uma cultura de inclusão, a força da juventude e a sabedoria da idade produzem um mundo novo.

Solidariedade Social

A solidariedade social, mais que comunhão de esforços em prol de causas é o dar-se em prol dos nossos semelhante, é um dos temas centrais deste blog,.

Trabalhos Académicos, do Serviço Social e Sociologia à Ciência Política

Desde 2010 que o Etcetera, disponibiliza para consulta, um conjunto de estudos académicos de várias áreas da ciência, como sociologia, psicologia, ciência política, economia social entre outras.

Sugestões de Leitura - Lista de Livros

Lista de Livros, sugestão dos mais importantes da Literatura Universal e Humanista, o mais importante é ler bons livros e não sermos guiados pelos livros da moda.

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Poema # 40 - As Cores e os Sonhos

A todos, votos de,
Um Ano Novo cheio de cores.
Cores por fora, alegria.
Cores por dentro, felicidade.
Cores de todas as cores, igualdade.
Cores quentes, de amor.
O azul, da beleza.
O amarelo, da alegria.
O verde, da esperança.
Cor de laranja, o humanismo.
O Branco que não vê cores, a Paz.

E que nos olhos de todas as cores,
As sementes dos vossos projetos,
Façam Nascer, árvores robustas,
Árvores perenes e coloridas,
Projetando-nos os símbolos.
Dos nossos mais belos sonhos.

Feliz Ano Novo a Todos os Leitores.




Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

sábado, 27 de dezembro de 2014

Desiderata - Max Ehrmann

Siga tranquilamente entre a inquietude e a pressa,
lembrando-se de que há sempre paz no silêncio.
Tanto quanto possível sem humilhar-se,
mantenha-se em harmonia com todos que o cercam.
Fale a sua verdade, clara e mansamente.
Escute a verdade dos outros, pois eles também têm a sua própria história.
Evite as pessoas agitadas e agressivas: elas afligem o nosso espírito.
Não se compare aos demais, olhando as pessoas como superiores ou
inferiores a você:
isso o tornaria superficial e amargo.
Viva intensamente os seus ideais e o que você já conseguiu realizar.
Mantenha o interesse no seu trabalho,
por mais humilde que seja,
ele é um verdadeiro tesouro na continua mudança dos tempos.
Seja prudente em tudo o que fizer, porque o mundo está cheio de
armadilhas.
Mas não fique cego para o bem que sempre existe.
Em toda parte, a vida está cheia de heroísmo.
Seja você mesmo.
Sobretudo, não simule afeição e não transforme o amor numa brincadeira,
pois, no meio de tanta aridez, ele é perene como a relva.
Aceite, com carinho, o conselho dos mais velhos
e seja compreensivo com os impulsos inovadores da juventude.
Cultive a força do espírito e você estará preparado
para enfrentar as surpresas da sorte adversa.
Não se desespere com perigos imaginários:
muitos temores têm sua origem no cansaço e na solidão.
Ao lado de uma sadia disciplina conserve,
para consigo mesmo, uma imensa bondade.
Você é filho do universo, irmão das estrelas e árvores,
você merece estar aqui e, mesmo se você não pode perceber,
a terra e o universo vão cumprindo o seu destino.
Procure, pois, estar em paz com Deus,
seja qual for o nome que você lhe der.
No meio do seu trabalho e nas aspirações, na fatigante jornada pela vida,
conserve, no mais profundo do seu ser, a harmonia e a paz.
Acima de toda mesquinhez, falsidade e desengano,
o mundo ainda é bonito.
Caminhe com cuidado, faça tudo para ser feliz
e partilhe com os outros a sua felicidade".

Max Ehrmann (1872-1945)

contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor do texto

Max Ehrmman foi um filósofo, poeta e advogado estadunidense, nascido em Terre de Haute, no Estado de Indiana, tendo ficado mais conhecido pelo seu poema Desiderata, Filho de pais protestantes metodistas oriundo da Alemanha, Formou-se em Direito e Filosofia pela Universidade de Harvard, com 40 anos decidiu dedicar-se integralmente à literatura, tendo editado mais de 20 livros. Morreu com 73 anos, meses depois de ter decidido casar com uma velha amiga a Professora Bertha King. Que se dedicou a divulgar a obra de Ehrmman. 



Sobre o Autor do Blog

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.obra de Ehrmman. 

Poema # 37 - Um Sonhador

Deveras sou como um idealista,
Um mero sonhador.
Nos versos um equilibrista
Que fugindo da real dor,
Abriga-me na mais bela utopia
Versando o amor, seja noite ou dia.

Com uma poesia sem métrica,
Uma literatura sem regras,
Uma imaginação pictórica,
De velhas palavras efémeras,
E de uma esperança sem fim.




Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Poema # 36 - A Arte Fez-se Poesia

Oh poetisa e humana criatura,
Que de noite se fez arte
Desenhando em versos a figura,
De um coração que se reparte.

E a arte fez-se poesia
Nos teus versos escritos,
Nos teus lábios, ditos,
De tudo o que se sentia.

Noite fria que solitária mente,
De tudo o que o coração espera,
Em tudo o que a alma sente,
Não, minha alma não desespera.
E nem tão pouco desiste
Do amor que ainda existe.

E decididamente eu sempre insisto,
teimo tanto em ser quem sou.
Senhor de um sonho que não desisto.
Se errei não ninguém me avisou.

Trás para perto de mim o teu olhar,
Teus lindos olhos negros e brilhantes,
E se os vir iluminados irei me recordar,
Lembrando-me como eram dantes.




Autor Filipe de Freitas Leal


Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Poema # 35 - Os Sonhos

Oh sonhos meus, qual desdobrar de cenas
desconexas, fora do tempo, fora do espaço,
Oh sonhos meus, que parecem tão sem nexo,
Algures em minha mente, haverá um sentido
Lógico, a trazer-me à memoria os meus sentidos,
As mais leves impressões, medos e esperanças.
Oh sonhos, que me abris portas atrás de portas.

Os sonhos meus, são o estúdio e cenários
Idílicos, belos, luminosos e carregados de esperança,
Por vezes sombrios, no breu onde mora o medo,
Por vezes arrebatadores, de um doce e belo mistério,
Dos sentidos claros trazidos à minha mente adormecida.
E sem nexo aparente, deveras consentido, encontro-te.
Oh sonhos que sois, diálogos de minha própria alma.

Oh sonhos da minha mutação, ilusão, caleidoscópio,
Fazeis de mim as personagens de tempo e de lugar,
Oh sonhos, profundamente guardados, e escondidos,
Dizeis tudo a minh'alma, e escondeis à mente,
O que ela não entende e o que a boca cala.
Oh sonhos, que acordados são desejos
Como belas conchas que se abrem
A mostrar a mais preciosa pérola
Na profundidade do nosso ser.




Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Citações # 23 - A Sabedoria e o Amor (Silo)

A "Sabedoria está no fundo da tua consciência, tal como o amor, está no fundo do teu coração".
É uma frase de Mário Rodriguez Cobos, chamado de "Silo" e que é o fundador do Novo Humanismo, movimento que defende três pilares básicos da civilização humana, 1.º o Ser Humano como elemento central, 2.º a NVA Não Violência Ativa, e 3.º a Não Discriminação, o movimento surge na Argentina, terra natal de Silo, nascido na Província de Mendonza, e é lá que surge o movimento, em 1969 com o Discurso de " O Fim do Sofrimento".

Por Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal é Licenciado em Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa ONG, vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, É Blogger desde 2007, com o ideal de cariz Humanista, além disso dedica-se a outros blogs de cariz filosófico, teológico e poético.

Poema # 34 - Nossa Casa a Nossa Alma

Sei de que são feitas as casas,
Não mais de tijolos e madeira,
São sim feitas de sentimentos,
Onde ecoam palavras e sorrisos,
Alicerçadas na ternura de mãe,
Na fortaleza de pai.

E sei que as casas são o som
Sublime do riso das crianças.
São feitas de cheiros e sabores,
São feitas de ideias e labores,
E também são festas.

Agora sei que mais que um chão,
E ainda que sem uma certeza,
Uma casa é feita sem paredes,
Sem portas e janelas,
Sem escadas e alpendres.

Uma casa é feita de cada um
De cada coração que bate,
De cada olhar que se cruza e fala,
Do colo de pai e mãe
Do palrar dos nossos filhos,
Dos passos gastos dos avós
Uma casa, uma parte de nós.

E mais que casas, precisamos de lares,
E o conforto doce de um leito no cansaço,
Uma casa é mais que um nome é uma alma
Formada pelo encontro e tecida pelo abraço.




Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Poema # 33 - Uma Estela Pequenina.

Ah, se eu fosse uma estrelinha,
como brilhariam meus olhos, ao ver os teus,
Quem me dera ser a mais pequenininha,
Das que contemplas ao olhar os sete céus

Ou então poderia renascer num pássaro,
Um rouxinol que te cante manhã cedo alegremente,
E faria no teu telhado, o meu mais belo ninho,
E cantaria para ti belas melodias, eternamente.

Eu já tenho no peito a minha estrelinha,
E oiço na minha mente o Rouxinol e o seu belo canto.
Mas o astro que tanto queria, afastou-se, não quis ser minha,
E nem sobrou o canto alegre do rouxinol, apenas o pranto.

Dentro de mim sobrou espaço a um turbilhão,
Desejaria nesta galáxia poder ser tua estrelinha,
Sinto que dentro de mim há um imenso vulcão,
Que não me permite o canto, só a poesia destas linhas

E sobrou um enorme silêncio, que grita mil palavras de amor.
Que não as entendo, porque não sendo para mim, são dor.
E até já me disseste, escreveste eu lendo comovido,
Soube que me visitaste em sonho, e segredaste-me

Que eu não poderia receber de ti, o meu terno pedido,
Como impedir? se sem querer tu cativaste-me.
Agora estou agrilhoado, num amor que não tem fim,
Numa esperança que não cessará nunca em mim.




Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Citações # 22 - O Silêncio dos Bons (Luther King)

Martin Luther King, foi um pastor protestante, e um ativista contra o racismo, sendo o líder do movimento pela causa da emancipação negra nos Estados Unidos, foi um dos ativistas que utilizou a NVA como modelo de intervenção e consciencialização, tal como fizera Ghandi na luta pela independência da Índia. Luther King veio no entanto a ser assassinado em 1968. 

Nesta citação, Luther King, tenta consciencializar mais a maioria silenciosa, dos que nada fazem, e desresponsabilizando-se por tomar nas mãos a obra de um mundo melhor, permitem de forma passiva a arbitrariedade que lhes é imposta.

Filipe de Freitas Leal





Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal é Licenciado em Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa ONG, vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, É Blogger desde 2007, com o ideal de cariz Humanista, além disso dedica-se a outros blogs de cariz filosófico, teológico e poético.

Citações # 21 - A Democracia (Rousseau)

Jean Jacques Rosseau, é um dos grande pensadores e filósofos europeus, do século XVIII, da época do iluminismo, Rosseau, nasceu na suiça. É dele a teoria de que formação é deformação, pois acreditava que a educação institucional desvirtua o  homem, modelando-o e retirando-lhe a sua natural vocação. A sua obra mais conhecida é "O Contrato Social".

Nesta citação, refere-se à natureza intrínseca da democracia, que deve coexistir com  a justiça social, condição sem a qual, não haverá democracia.

Filipe de Freitas Leal





Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal é Licenciado em Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa ONG, vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, É Blogger desde 2007, com o ideal de cariz Humanista, além disso dedica-se a outros blogs de cariz filosófico, teológico e poético.

Citações # 20 - Os Adolescentes (Sócrates)

O mais famoso dos filósofos da Grécia antiga, é sem dúvida Sócrates, foi ele o Professor de Platão, ensinando na na sua escola peripatética* que mais não era que o Espaço Público da Ágora (Praça) onde através do seu método de perguntar e extrair a verdade que está na lógica do pensamento, método socrático a que o próprio Sócrates chamava de "Maiêutica" ou seja "dar à luz", o conhecimento. Sócrates foi condenado à morte, acusado de ateísmo e de subversão da juventude.
Na defesa de Sócrates, Platão escreve uma das  mais belas obras. "A Apologia de Sócrates".

Aqui nesta citação de Sócrates, temos a impressão de que, o que muda não são os tempos, mas somos nós que mudamos com o tempo, e que sempre os mais velho se incompatibilizavam de algum modo com o comportamento dos mais novos.

Filipe de Freitas Leal





Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal é Licenciado em Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa ONG, vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, É Blogger desde 2007, com o ideal de cariz Humanista, além disso dedica-se a outros blogs de cariz filosófico, teológico e poético.

Citações # 19 - A Sabedoria (Sócrates)

O mais famoso dos filósofos da Grécia antiga, é sem dúvida Sócrates, foi ele o Professor de Platão, ensinando na na sua escola peripatética* que mais não era que o Espaço Público da Ágora (Praça) onde através do seu método de perguntar e extrair a verdade que está na lógica do pensamento, método socrático a que o próprio Sócrates chamava de "Maiêutica" ou seja "dar à luz", o conhecimento. Sócrates foi condenado à morte, acusado de ateísmo e de subversão da juventude.
Na defesa de Sócrates, Platão escreve uma das  mais belas obras. "A Apologia de Sócrates".

Filipe de Freitas Leal





Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal é Licenciado em Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa ONG, vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, É Blogger desde 2007, com o ideal de cariz Humanista, além disso dedica-se a outros blogs de cariz filosófico, teológico e poético.

Citações # 18 - A Confiança (Aristóteles)

Aristóteles, foi um filósofo da antiga Grécia, do Século IV AC, tendo sido aluno de Platão, foi preceptor de Alexandre da Macedónia quando aquele tinha 13 anos, após a sua subida ao Trono, Aristóteles regressa a Atenas onde funda o Liceu. De toda a sua obra a que mais se destaca é "Tratado de Política", este filósofo desenvolveu muito a filosofia, divergindo em alguns aspectos, de Platão.

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Citações # 17 - O Que nos Une (João XXIII)

O Papa João XXIII, nascido em Itália, cujo nome era Giuseppe Roncali, foi o Pontífice que deu inicio aos trabalhos do Concílio Vaticano II e no qual promoveu a aproximação ecuménica com os cristãos de outras Igrejas bem com como deu inicio ao diálogo judaico-católico, o seu pontificado revolucionou a Igreja, foi o primeiro Papa desde 1870 a sair do Vaticano e a fazer visitas pastorais à sua diocese, contudo morreu sem ter terminado os trabalhos do concílio, tarefa que coube ao seu sucessor Paulo VI.

Filipe de Freitas Leal





Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal é Licenciado em Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa ONG, vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, É Blogger desde 2007, com o ideal de cariz Humanista, além disso dedica-se a outros blogs de cariz filosófico, teológico e poético.

Citações # 16 - O Riso e as Lágrimas (Chaplin)

Charles Chaplin, o Charlot, como era comummente conhecido, foi um ator humorista dos tempos do cinema mudo, contemporâneo de Harold Robbins, Chaplin destacou-se pelo conteúdo dos temas abordados, numa mistura de drama e humor, mas tendo sempre um pano de fundo voltado para os valores mais profundos do Ser.

Chaplin nasceu na Inglaterra, tendo origem, o seu trabalho cinematográfico foi desenvolvido nos Estados Unidos da América, e ultrapassou os limites do cinema mudo, ao contrário de outros seus contemporâneos, uma das suas mais destacadas e conhecidas obras é "O Grande Ditator" onde satiriza Hitles, e todos os caudilhos, do seu tempo. Acusado de comunista, viu-se obrigado a sair dos Estados Unidos, com a pressão da Lei McCarthy, que foi um verdadeiro tempo de caça às bruxas, Charles Chaplin veio a morrer a 25 de dezembro de 1977, na sua residência na Suiça.

Filipe de Freitas Leal





Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal é Licenciado em Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa ONG, vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, É Blogger desde 2007, com o ideal de cariz Humanista, além disso dedica-se a outros blogs de cariz filosófico, teológico e poético.