domingo, 24 de agosto de 2014

Proteger as Nossas Crianças # 1 - Bernardo Boldrini

A violência doméstica, infelizmente é uma realidade, que choca e que acontece silenciosamente, vitimando pessoas inocentes e indefesas, como cônjuges, crianças, doentes, e idosos, de ambos os sexos.

O Fenómeno é mundial, e ocorre de variadas formas, quer seja física, psicológica, maus tratos, discriminação e booling. Ocorrendo na maioria das vezes no seio da família, e tem como motriz, a cultura violenta e opressiva que se vive a cada dia mais, pelos meios de comunicação que vulgarizam a violência e desvalorizam a vida e a pessoa humana em todos os sentidos.

Dados da ONU afirmam que só no ano de 2002, cerca de 53.000 crianças em todo o Mundo, dos 0 aos 17 anos, foram vitimas de homicídio, e em muitos casos dentro do seio familiar onde a vitima vivia. Este é um fenómeno que se não for divulgado, discutido e cuidado, tornará ainda mais violenta e mais grave a situação em si.

Um dos exemplos mais flagrantes que ocorreu recentemente, foi no Brasil, no Estado do Rio Grande do Sul, na cidade de Três Passos, em que um menino de 11 anos Bernardo Boldrini órfão de mãe desde 2010, e a viver com o pai Leandro Boldrini, a madrasta Graciele Ugulini, e ainda uma meia-irmã de um ano e meio, que nascera desta relação, Bernardo solicitou à justiça que lhe dessem outra família por sofrer de maus tratos e afirmar ainda que temia pela sua vida pois já havia sofrido uma tentativa de homicídio por asfixia além de ser obrigado a tomar medicamentos dados pela madrasta para o fazer adormecer, mas não foi ouvido e nem lavado a sério, pelo que a própria justiça cometeu um grave erro ao negligenciar a segurança da criança, tendo permitido que fosse mantido à guarda do seu pai e madrasta que o tratava mal, e o negligenciava com o conhecimento e consentimento paterno, em vez de procurar inserir este menino numa família de acolhimento.

O menino Bernardo Boldrini, desapareceu no dia 4 de abril, e foi encontrado morto dez dias após o desaparecimento a 14 de abril, estava enterrado numa posição semi-vertical, quase de pé, a autópsia feita pela polícia cientifica, revelou que a criança teria sido sedada com uma injeção letal, com medicamento usado na pena de morte em alguns Estados dos Estados Unidos da América; No dia 15 de abril o Brasil entrou em choque e comoção com o anúncio da justiça de que as suspeitas deste crime, recaíam imediatamente sobre o Pai e a Madrasta, surgindo uma terceira pessoa que terá ajudado no crime, uma assistente-social de nome Edelvânia Wirganovicz, todos os três foram indiciados e detidos estando em prisão preventiva, acusados de serem autores do crime de homicídio qualificado em primeiro grau. Aguardam julgamento por júri popular, o caso foi noticia no mundo inteiro, tendo chocado a opinião pública sobre a negligência da sua integridade e o fim trágico do planeamento à consumação da morte desta criança.

Resta no entanto saber o móbil do crime, tendo sido reaberto o processo da morte da mãe de Bernardo Boldrini, que antes se suspeitava de suicídio, como provável homicídio, por motivos de herança. O curioso neste acontecimento é os acusados fazerem parte de um padrão de nível social elevado, Leandro Boldrini é formado em Medicina (ou seja isto é um absurdo), em vez de salvar vidas, premeditou a morte do próprio filho, a Madrasta Graciele Ugulini é enfermeira de profissão, e a ajudante do crime, assistente-social. Há aqui uma verdadeira anomia, e um contrassenso que nos leva até à loucura, a negligência da justiça, e o facto de pessoas, cujas profissões que exerciam estarem diretamente ligadas à vida e ao bem estar da pessoa humana, serem eles os autores de um macabro assassínio de uma criança indefesa, do próprio seio familiar. Há algo de muito errado na sociedade contemporânea em que vivemos e que temos de pensar sobre isto, bem como lutar para que não volte a acontecer. 

Como pessoas e humanos que somos, temos o dever e a obrigação moral de pensar sobre estes casos, a sociedade como um todo é responsável pela defesa, de pessoas em situação de vulnerabilidade, como foi o caso deste menino, e o será de tantas outras pessoas, mulheres indefesas, idosos, doentes, a violência doméstica é um crime público e cabe a nós vizinhos, amigos, testemunhas, denunciar todo e qualquer maltrato contra uma pessoas, seja ela qual for.

As Pessoas devem estar em primeiro lugar em todos os setores e estruturas da sociedade, é para as pessoas que as instituições políticas, jurídicas, económicas e as de suporte social são feitas, pelo que a população brasileira está ansiosa para que a justiça se faça e funcione de facto, e que o poder legislativo crie leis que dêm condições legais de maior proteção às vitimas de maus tratos como foi o caso deste menino.


Resta-nos ainda a obrigação de estudar as razoes profundas da violência, que é hoje praticada, e que é fruto não só da maldade humana, mas de outras formas de violência que nos afetam sem darmos por isso, e estão por todo o lado à nossa volta, incitando-nos à violência, levando-nos à resignação a um mundo decadente, à depressão, e até à auto-violência, que é o suicídio e a cultura estabelecida faz com que a sociedade conviva com naturalidade à violência, que sofrem todos os indefesos como estas crianças, e o resultado será uma violência cada vez maior, numa sociedade e justiça surdas, num sofrimento invisível, mas que é colossal e se não a combatermos não saberemos onde irá parar.

Por Filipe de Freitas Leal

Referências:
Revista Veja - MP denuncia quatro por morte do menino Bernardo de 15/05/14
Jornal Zero HoraJustiça Nega Liberdade - E aguardam em Prisão Preventiva.
Jornal Zero Hora - Veja os principais diálogos entre a madrasta e Bernardo.
RBS TV - Videos no telemóvel/celular de Bernardo Boldrini gritando por socorro. 
CNN News - The mysterious death of 11 year old Bernardo Uglione Boldrini


contador de visitas Leituras visualizações

Sobre o Autor                                                                           
Filipe de Freitas Leal é Licenciado em Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É estagiário como Técnico de Intervenção Social numa ONG, vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, Blogger desde 2007, com o ideal de cariz Humanista, além disso dedica-se a outros blogs de cariz filosófico e poesia.

0 comentários :

Enviar um comentário