10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

O Problema de Israel e da Palestina é o Terrorismo

Primeiramente houve a visita do Papa a Israel e à Palestina, depois seguiu-se a oração no Vaticano com as três religiões a rogar pela Paz.

O que aconteceu a seguir?
Os terroristas do Hamas, armaram-se até aos dentes de armas de fogo de longo alcance e esperaram.

Depois, foram sequestrados 3 adolescentes judeus, encontrados mortos em território palestiniano, pelo exército israelita que teve que entrar para procurar e recuperar os corpos dos jovens mortos pelo ódio antissemita.

Seguiu-se o assassínio de um adolescente palestiniano, (ato igualmente condenável) no entanto o Estado de Israel, procurou apurar a verdade dos factos e prendeu os responsáveis, a Autoridade Palestiniana não fez o mesmo face ao assassínio dos jovens israelitas, e porquê? Porque não tem poder sobre o Hamas.

Seguiram-se o lançamento de misseis de longo alcance, a partir da Faixa de Gaza, justamente posicionados em bairros residenciais pelo Hamas, usando a população como escudo humano.
Foram mais de 400 rockets lançados contra o povo e o Estado de Israel.

O que Portugal faria se um grupo terrorista fizesse o mesmo lançando misseis que chegassem a Lisboa, não atacaria como forma de defesa da sua população?
O que faria o Brasil, se fosse atacado por grupos terroristas, que enviassem misseis de longo alcance?
E se fosse até mesmo um país árabe a ser atacado por terroristas não se defenderia? Não foi o que aconteceu no Mali, que teve de pedir ajuda à França para combater contra terroristas ligados à "Alcaida"?

A imprensa comentou sobre a derrota do Brasil frente à Alemanha, mas não comentou que Israel estava a ser atacado.
A imprensa comentou que Israel estava a bombardear a Palestina. Falso, totalmente falsa esta informação, Israel ataca estrategicamente os alvos que são os locais de onde os misseis são lançados, mas a falsidade propositada das noticias, gera o aumento de sentimentos xenófobos, antissemitas, que em nada contribuem para a Paz.

Eu defendo a Paz, mas não defendo que possa haver paz unilateral, enquanto um grupo terrorista com uma ideologia próxima do Nazismo se arme até aos dentes para atacar precisamente quando os esforços pela paz estavam cada vez mais próximos de um entendimento entre Israel e a Palestina, no intuito do reconhecimento bilateral, do direito à existência e da autodeterminação de ambos os povos, e não há outro caminho que não este, o reconhecimento mútuo e o fim do Hamas.

Questiono também como é que figuras públicas apressam-se imediatamente em apoiar um dos lados sem tentar ter conhecimento dos factos, como é o caso do nosso futebolista Cristiano Ronaldo em fotografias no facebook com a Bandeira da Palestina, como se Israel tivesse em guerra com a Palestina em vez de estar sim com o Hamas.

Convido-os pois a fazerem tábua rasa dos conceitos que previamente têm, quer seja por informações pessoais, quer seja pela imprensa. 
Vamos tentar olhar o problema de frente, com intuito de paz e não de ódio, mas olha-lo nos seus mais variados aspectos, quer cultural quer político e social.



Por Filipe de Freitas Leal




Este artigo respeita as normas do novo Acordo Ortográfico.



Sobre o Autor



 - Nasceu em 1964 em Lisboa, é estagiário em Serviço Social, numa ONG, tendo se licenciado pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa - ISCSP/UL, Fundou este blog em 2007, para o debate de ideias e a defesa do ideal humanista, edita ainda outros blogs, desde filosofia à teologia e apoio autodidático. (ver o Perfil)

3 comentários :

E uma treta o que escreves-tê o que Farias se um pais que não existia invadisse o teu país e começasse a matar e a diminuir o territorio que pertencia aos palestianos es um merdas seu filho da puta ainda ha pouco bombardearam uma escola com criancas

Eu lamento imenso, a linguagem utilizada por si, e sobretudo a falta de coragem para você se identificar e expor livremente as suas opiniões neste blog que é livre democrático e defende a paz e a NVA Não Violência Ativa.

Eu já disse e torno a dizer que de facto lamento imenso a perda da vidas de pessoas inocentes, de ambos os lados, em qualquer guerra, até mesmo na Síria, ou no Iraque, ou na Ucrânia.

Volto a afirmar que eu sou a favor da Independência da Palestina e da cooperação entre os dois povos, que eu sei que é possível, e há vários exemplos disso.

Mas tente ver uma coisa, o que está a acontecer, é apenas no território de Gaza, ora a Palestina também é composta pelo território da Cisjordânia, e essa pate não está a ser atacada, porque não lançou rockets contra Israel.
Além disso, quem governa legitimamente a Autoridade Palestiniana é o Presidente Mahmoud Abbas, e não o Hamas.
Além disso, os terroristas transformaram zonas habitacinais, hospitais e armzens em verdadeiros paióis de armas, e para que foram utilizar essas zonas residenciais, e hospitais, e até bases da ONU para fazerem o lançamento de rockets contra populações civis em Israel se não queriam vitimas e baixas no seu próprio povo? Mas por acaso alguns dos rockets caíram precisamente em território palestiniano mas na Cisjordânia, prejudicando palestinianos que lá viviam, mas isso não interessa falar não é mesmo?
Por fim, só é possível negociar a Independência negociando com autridades interessadas verdadeiramente em reconhecer direito à autodeterminação de ambo os Estados. Israel reconhece a Palestina e a Palestina reconhece Israel.

Para todo o caso, é preciso informar, que o que se passa em Israel e na Faixa de Gaza, não é uma Guerra Convencional, trata-se de uma reação armada contra o terrorismo, Os Terroristas não tem qualquer preocupação com o bem estar das vitimas, e nem sequer respeitam a "Convenção de Genebra", se é que sabem o que isso é.

Portanto quando um Politico que seja Chefe de Estado ou de Governo, não importa de que país for faça a defesa de grupos terrorista, mostra-se um político inapto para desempenhar o cargo que exercem. Pois não percebem nada de Ciência Política.

Enviar um comentário