10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

terça-feira, 10 de junho de 2014

A Oração Pela Paz no Médio Oriente

A Paz, ou mais precisamente o desejo de paz, reuniu nos jardins da ‘Cidade do Vaticano’ em oração as três grandes religiões da ‘revelação’ na pessoa de três chefes de Estado, Mahmoud Abbas, Presidente da Autoridade Palestiniana; Shimon Peres, Presidente da República de Israel e o Papa Francisco I, que no Vaticano reuniu-os para juntos rezarem pela paz. Cada uma das religiões e seu líderes religiosos recitaram orações ao D-us comum, por ordem cronológica de surgimento, primeiro foram as orações presididas por rabinos, pelo Judaísmo, surgido aproximadamente há 3500 anos; seguiram-se as orações de sacerdotes católicos pelo cristianismo, surgido há 2000 anos e por fim as orações dos Imãs do Islamismo que surgiu há exatamente 1392 anos, cada uma das seções de oração foram seguidas de músicas tradicionais de cada fé.

O Papa Francisco I, afirmou que não é a sua intenção mediar politicamente o conflito, mas sim promover o diálogo através da oração, é bom lembrarmos que de facto ao longo de décadas os vários planos de paz, sofreram a erosão das palavras ditas ao vento, e a 'paz podre' permaneceu.

No entanto os problemas que ocorrem no Médio Oriente, e que minam a paz da região e suas populações, surgiu à 66 anos com a Partilha da Palestina, que após a queda do Império Otomano, ficou dividida em duas parte, uma a Oriente que corresponde à atual Jordânia, e outra a Ocidente que foi a parte do Território ainda sob ocupação Britânica que viria a ser dividido em dois Estados pela resolução das Nações Unidas de N.º 181 de 1947, sobre a Partilha da Palestina em Estado Judeu e Estado Muçulmano, o restante a História encarregou-se de registar par má memória de toda a Humanidade, no entanto o ónus da culpa coube sempre a Israel, e sem que hoje as pessoas saibam foi precisamente Israel que foi atacado por seis Exércitos ao mesmo tempo, Egito, Jordânia, Síria, Líbano,  Iraque e Arábia Saudita, precisamente um dia após a Independência de Israel e da saída das tropas Britânicas de todo o protetorado a Palestina. Porquê? Porque Israel reconheceu o direito palestiniano a ter o seu Estado, mas o Mundo árabe não reconheceu o direito ao povo judeu de Estar na sua terra ancestral. E porquê isto? Não sei, mas o Mufti de Jerusalém que se reunira com Hitler muito antes do fim da II Guerra Mundial e que nutria ódio pelos judeus, poderia dar-nos hoje a resposta.

E deixem-me dizer: "Que de facto, mais que tratados assinados, o diálogo feito em reposta ao anseio de paz dos povos do Médio Oriente é a melhor opção, se esta falhar, falharão todas as outras. Porque é no coração dos Homens que deve residir a PAZ".



Autor Filipe de Freitas Leal


Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

1 comentários :

Magnificent items from you, man. I have consider your stuff previous to and you're simply extremely
excellent. I actually like what you have bought here, really like
what you are stating and the way by which you say it.
You make it enjoyable and you continue to care for to stay it smart.
I cant wait to learn far more from you. That
is actually a great web site.

Feel free to visit my weblog - homepage ()

Enviar um comentário