domingo, 3 de março de 2013

Livros - Casa Grande & Senzala - Gilberto Freyre

O sociologo brasileiro Gilberto Freyre
Gilberto Freyre, sociólogo  antropólogo, ensaísta, escritor e pintor,  nasceu em 1900,  na capital do Estado do Pernambuco, Recife, numa família de ascendência portuguesa e veio a falecer na mesma cidade em 1987; Em criança recusava-se a aprender a ler, apenas desenhava, quase que compulsivamente, fazendo do desenho a sua linguagem, a sua expressão e o modo como compreendia o mundo à sua volta; Após receber a visita de um professor inglês, ingressa na Escola Americana Batista de Pernambuco com oito anos de idade, e frequenta os estudos superiores na Universidade de Colúmbia nos Estados Unidos, onde conheceu Franz Boas antropólogo estadunidense de origem judaica, que influenciara Freyre ao estudo da antropologia, muito embora seja um dos pais da sociologia brasileira, e do movimento modernista da década de 20 do século XX.

Gilberto Freyre, em 1933 escreve o livro que sem duvida seria a sua maior obra prima, obra incontornável para a sociologia e antropologia brasileira de modo incomparável; O que estava em grande questão na altura era a identidade do brasileiro como povo, ou seja era saber na formação na nação brasileira, quem seria brasileiro de facto, e a contribuição do pensamento de Freyre foi o de responder esta questão, de quais dos povos ou etnias que formavam a multiplicidade cultural do Brasil, seria a que verdadeiramente pudesse ser chamada de brasileira. Claro está que por trás desta preocupação,que vinha já do tempo da independência da metrópole colonial portuguesa em 1822, e que se agudizara com o fim da escravidão, iniciada com as leis abolicionistas, como a Lei do Ventre Livre de 1871 e depois com a Lei Áurea a 13 de maio de 1888 promovida pela Princesa Isabel, que como consequência trouxe a revolta dos fazendeiros ricos e o derrube da monarquia em 1889, levando D. Pedro II para o exílio em França com toda a corte brasileira.



Há no entanto um dado que deve ser tido em conta, trata-se do Regime do Estado Novo, e do governo de Getúlio Vargas, de cariz social-fascista, cujas preocupações seriam a de criar uma Nação forte e próspera, mas para o qual faltava-lhe a tal identidade, sem a qual não seria possível,  a resposta que Gilberto Freyre trouxe com o seu livro. "Casa Grande & Senzala" serviu como uma luva, e aglutinou em toda a sociedade brasileira, a consciência que formava com sucesso, a primeira grande nação multicultural do mundo.

Gilberto Freyre, afirmava que o que deveras é o brasileiro, é todo o conjunto étnico e cultural dos seus elementos formadores, o indígena  o colonizador português e o escravo negro, estes três grupos étnicos formam a primeira grande nação multicultural do Mundo, muito antes de países como os EUA, Canadá ou Austrália entre outros, foi o Brasil o pioneiro como uma grande nação multicultural e de integração de novas culturas vindas de vagas de emigração da Europa do Leste e da Ásia.


Gilberto Freyre afirma em seu livro que o que permitiu ao Brasil, ser essa mescla morena de povos, foi o modo como os portugueses colonizaram o Brasil, mantendo-o unido e por não terem tido como os espanhóis  franceses e sobretudo os ingleses uma noção etnocêntrica de superioridade racial sobre o nativo, o que permitiu o cruzamento dos portugueses com outros grupos étnicos, até como forma de povoar o vasto território do Brasil, algo que é retratado na literatura como por exemplo o romance Iracema de José de Alencar, ou ainda na numismática (na figura à esquerda) com a nota de quinhentos cruzeiros (Cr$ 500,00) em circulação nos anos 70, onde se perfilam todas as etnias brasileiras, formadas por essa riquíssima mescla.

Os ingleses evitavam o cruzamento com mulheres de outros povos, os portugueses não, tendo por isso criado os mestiços, caboclo (miscigenação étnica entre português e indígena  do cafuso (miscigenação entre as etnias negra com índigena) e do mulato, que é a miscigenação das etnias portuguesa e negra), e após a independência tendo se iniciado a imigração no Brasil, com a vinda de outros povos, tais como os japoneses,  acentuou-se a miscigenação, surgindo cruzamentos entre os recém chegados asiáticos com a população brasileira.

A maneira como Gilberto Freyre resolve esta questão cultural, é como a descoberta da pólvora para mudar o Brasil, é inclusive algo que promove a unidade nacional, sob os aplausos do regime de Getúlio Vargas, a imprensa expande a notícia por todo o Brasil, o livro faz escola, e Gilberto é consagrado como um dos maiores sociólogos brasileiros reconhecido a nível mundial.

O Titulo da sua obra é baseada na organização social e económica brasileira no tempo da formação e sobretudo da colonização portuguesa, Casa Grande é a casa do colonizador português  e a Senzala o lugar onde vivem os escravos outro elemento formador da brasilidade. E esse conjunto reproduz a filosofia da época de uma sociedade agricola, patriarcal, católica.

Claro está que o mundo mudou, a sociologia mudou com o Mundo, e sobretudo os regimes politicos brasileiros mudaram, sendo que hoje há uma certa tendencia da sociologia brasileira ligada aos movimentos de esquerda ou a movimentos negros, criticam a obra de Freyre.

Certo é no entanto, com ou sem criticas, que a sua obra, por mais erros que possa ter, trouxe no fundo ao Brasil do seu tempo, a resposta que precisava para se lançar como um projeto nacional, tendo trazido um grande contributo que no fundo é mais democrático do que parece, pois para Gilberto Freyre todos são brasileiros sem distinção, o indígena  o português, o negro, mas também os diversos imigrantes que foram formar o arco-íris da brasilidade, que se reflete na cultura, desde a gastronomia à linguagem, bem como no modo de pensar e ser do povo brasileiro, e também na sua organização social e política.

Para além de Casa Grande e Senzala (1933), Freyre escreveu ainda, Nordeste ( 1937), O Mundo que o português criou (1940), Problemas Brasileiros de Antropologia (1943), Sociologia (1945) Ordem e Progresso (1957) obra esta que lembra o ideal positivista de Augusto Comte, e ainda, Brasis, Brasil e Brasília(1968) um estudo sociológico e antropológico do Brasil.
_____________________________________________________
Referências Bibliográficas.
Gilberto Freyre. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-03-03]
Vários Autores. (2007) Sociologia Ensino Médio. SEED, Paraná, Brasil, pgs 53-55.
Gilberto Freyre(2007) Casa Grande & Senzala. Ed. Record, Rio de Janeiro, Brasil.
Cláudia Castelo. (2011) Uma Incursão no Lusotropicalismo de Gilberto Freyre. IICT, Lisboa


Este artigo respeita as normas do novo Acordo Ortográfico.
contador de visitas Pessoas visitaram esta página

Sobre o Autor

 - Nasceu em 1964 em Lisboa, é estagiário em Serviço Social, numa ONG, tendo se licenciado pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa - ISCSP/UL, Fundou este blog em 2007, para o debate de ideias e a defesa do ideal humanista, edita ainda outros blogs, desde filosofia à teologia e apoio autodidático. (ver o Perfil)

2 comentários :

De todos os artigos do blog, este foi, sem dúvida, o artigo, em que eu escrevi com toda a alma e todo o coração, pois sinto, que como portugueses, somos uma parte inalienável da brasilidade, tal como refere o grande Lusofilo Gilberto Freyre.

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...