10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

José Hermano Saraiva - O Adeus do Historiador

Portugal perdeu um dos seus mais ilustres cidadãos, trata-se do Professor José Hermano Saraiva (1919 - 2012), um dos grandes Historiadores de Portugal, que soube levar ao grande público, o gosto pela história e pela cultura do seu país, exerceu advocacia e também o ensino como professor universitário no ISCSPU Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina (atual ISCSP/UTL), além disso foi  membro da Academia das Ciências de Lisboa, foi embaixador no Brasil, apresentador de Televisão, com programas de história e cultura de Portugal desde 1972, na RTP Radiotelevisão Portuguesa, com programas como "O tempo e a alma" (1972) "Horizontes da Memória" (1996), "A alma e a gente" entre outros, da RTP, canal 2 (programação de maior incidência cultural).
Foi ele que fez  tantos portugueses aprenderam a gostar e respeitar, desde a sua infância, a história e cultura, sendo um dos seus livros mais populares, "História Concisa de Portugal" (1978) da Editora Europa América e da já célebre coleção Livros de Bolso que é ainda hoje um livro de referência do grande público.
Hermano Saraiva foi também ministro da educação e cultura de 1968 a 1970, no governo de Oliveira Salazar, e posteriormente de Marcello Caetano, tendo sido no entanto afastado após a crise estudantil de 1969, que ocorreu com protestos estudantis de abril até setembro desse ano, acompanhado de greves e repressão por parte da polícia política, após o afastamento, José Hermano Saraiva seria nomeado embaixador de Portugal no Brasil, cargo que ocupou até ao 25 de abril.
Hermano Saraiva, foi sobretudo um homem que soube criar o seu espaço, e ser respeitado após a revolução dos cravos de 25 de abril de 1974, devido ao seu grande valor como pessoa e homem das letras e da cultura.
Recentemente chegou a afirmar numa entrevista ao DN Diário de Notícias, "Penso que a morte não será muito desagradável, a não ser que se sintam dores. A pessoa deixou de sentir e, serenamente, entra no vago. De um modo geral, não tenho medo da morte." Afirmou em outubro de 2011, quando do seu 92º aniversário.



Em "Horizontes da Memória" RTP 2.

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

0 comentários :

Enviar um comentário