10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

Raif Badawi o Direito de Ser Blogger

Somos todos Raif Badawi, se acreditamos que a liberdade de expessão é um direito inalienável da Pessoa Humana, então todos somos Raif Badawi.

O Humanismo

O Humanismo mais que uma ideologia é uma praxis ao alcance de cada um de nós, somos chamados a fazer o que estiver ao nosso alcance e de acordo com as nossas possibilidades em prol do bem comum.

A Terceira Idade e a Cultura Intergeracional

A revolução grisalha, e a cultura de uma sociedade intergeracional, juntanto-se a todo o conjunto de uma cultura de inclusão, a força da juventude e a sabedoria da idade produzem um mundo novo.

Solidariedade Social

A solidariedade social, mais que comunhão de esforços em prol de causas é o dar-se em prol dos nossos semelhante, é um dos temas centrais deste blog,.

Trabalhos Académicos, do Serviço Social e Sociologia à Ciência Política

Desde 2010 que o Etcetera, disponibiliza para consulta, um conjunto de estudos académicos de várias áreas da ciência, como sociologia, psicologia, ciência política, economia social entre outras.

Sugestões de Leitura - Lista de Livros

Lista de Livros, sugestão dos mais importantes da Literatura Universal e Humanista, o mais importante é ler bons livros e não sermos guiados pelos livros da moda.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Demografia - Introdução


Antes de mais a Demografia é uma ciência voltada ao estudo da dinâmica das populações, no que se refere ao aspeto estático (sua estrutura, dimensão e distribuição ou densidade) e ao aspeto dinâmico, que são os fenómenos como a natalidade, mortalidade, nubência e migrações, e assim sendo é a estrutura baseada nos géneros e nas faixas etárias, e a dinâmica por sua vez, está relacionada com natalidade, nupcialidade, migrações, envelhecimento demográfico e mortalidade.

O envelhecimento aliás tem vindo a crescer e a ter um enorme impacto em todos os setores da sociedade, e o envelhecimento populacional é hoje um dos principais focos de estudo das ciências sociais e políticas.

Fenómenos naturais como secas e catástrofes, guerras e até as crises económicas estão diretamente ligadas ao surgimento de surtos migratórios e de conflitos político militares causados por esses surtos.

Esta disciplina é muito mais interessante do que pode parecer à primeira vista, está muito ligada à geografia e história, mas é tida como uma das grandes ferramentas de outras ciências sociais, tais como a sociologia aplicada, a política social e a ciência política, economia social, bem como a antropologia, a psicologia social, e o Serviço Social necessitam de dados e de conhecimentos só possíveis através do estudo científico da Demografia.

Hiperligações
Demografia – Ciência das Populações – Download - Aqui

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.


segunda-feira, 14 de maio de 2012

Aula Aberta - Conflitos no Médio Oriente

O ISCSP Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, está a promover nos dias 15 e 16 de maio, a partir das 19hs sessões, com o título "Aulas Abertas Sobre Conflitos no Médio Oriente" que são integradas no curso de pós-graduação em Estudos do Médio Oriente.
As aulas iniciam dia 15 de maio, tendo sido convidados para o efeito, e com a presença confirmada do diplomata israelita Lior Keinan, que é também conselheiro da Embaixada de Israel em Lisboa, na quarta-feira será terá a presença de Hamdi Loza, embaixador do Egito e de Mufeed Shami, embaixador da Autoridade Palestiniana. Os diplomatas dos respectivos países, discursam sobre os pontos de vista no intuito de exporem a sua visão sobre o tema.
A organização destas aulas abertas é feita por Marta Mucznik, Marina Pignatelli e Teresa de Almeida e Silva.
Um evento a não perder com entrada livre, no piso 2 sala 7 no edifício do ISCSP no Polo Universitário da Ajuda.



Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - Convertido pelo Lince

ARTIGOS RELACIONADOS


segunda-feira, 7 de maio de 2012

Humanistas de Israel declaram-se minoria

Protestos em Israel contra segregação.
O IDI Instituto Democracia Israel, foi fundado em 1991, como um grupo não partidário e não religioso e de cariz fundamentalmente humanista.
O instituto publicou recentemente uma pesquisa sobre a sociedade israelita, cujas principais conclusões referem que 90% dos israelitas vem e participam dos principais rituais judaicos, circuncisão, bar mitzva, casamentos e funerais religiosos, bem como festas judaicas, bem como consideram importante que se cumpram esses rituais; 80% além de participarem acreditam verdadeiramente em Deus; 67% acreditam que o povo judeu é o povo escolhido por Deus; 65% acreditam na Toráh; 24% do judeus são ortodoxos ou ultra-ortodoxos.
No entanto a sociedade é menos religiosa que nos Estados Unidos, no entanto os ortodoxos dominam a vida social e cultural de Israel.
Os humanistas em Israel declararam-se como uma minoria religiosa em Israel, devido ao facto de a sociedade Israel,

O IDI defende que a sociedade deve permitir o pluralismo e tornar-se secular, mas como isso não está ainda no horizonte próximo, os humanistas por exemplo declararam-se como uma minoria religiosa, justamente por esse motivo, pois como seculares não teriam o mesmo reconhecimento e apoio. A origem disso é a critica acirrada contra a esquerda secular, que dominou a vida política em Israel no que se refere a elites politicas, culturais e judiciais, a postura atual e as criticas ao secularismo geram uma confusão na sociedade sobre o que é o secularismo e a democracia liberal, que em nada impediu ou impedirá a religiosidade das pessoas.
O artigo é publicado no jornal diário israelita “Haaretz” (O País) veja aqui.

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - Convertido pelo Lince

domingo, 6 de maio de 2012

Fernando Lopes, Um Realizador do Cinema Novo

Cineasta português, cujo nome completo era Fernando Lopes Marques (1935-2012), nascido em Alvaiázere, no interior de Portugal, foi aos 12 anos para Lisboa, começou a trabalhar ainda menino e a estudar à noite no curso comercial, cedo se iniciou no mundo do cinema e em particular no cine-clubismo, do qual fora fundador do "Cineclube Imagem", trabalhou também na RTP Radiotelevisão Portuguesa no canal 2, onde adquiriu muita experiência como assistente de montagem e daí partiu em busca do mundo da realização como bolseiro em Londres e depois nos Estados Unidos onde viveu três anos a estudar cinema, na RTP fez um excelente trabalho e deixou um modelo do que deve ser um serviço publico cultural na televisão.
Dos seus filmes, os mais emblemáticos são:  "Belarmino" realizado em 1964, que relata a história de um lutador de box: "Uma Abelha na Chuva" de 1971 e "Crónica dos Bons Malandros" de 1984, que passa para o grande ecrã o livro de Mário Zambujal. Fernando Lopes, fez parte da corrente estética de vanguarda, denominada de Cinema Novo, que surgira nos anos 60 do séc. XX e visava precisamente romper com a estética e o cunho fascista no cinema de então.

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

World Press Cartoon 2012 - Sintra

A criatividade artística como forma de expressão, com o qual se fazem e tecem criticas, e defendem-se ideias, que em tudo está dentro do espírito das liberdades de pensamento, expressão e associação, um dos direitos mais elementares consagrados na DHDH Declaração Universal dos Direitos Humanos,  confere também a responsabilidade de uma cidadania ativa e consciente, e é dentro desse espírito que a imprensa e a arte associadas nos "cartoons" se situam.
Dominique Strauss-Khan de Egil Nyhus
Nesse âmbito está patente ao público mais uma edição da WPC World Press Cartoon 2012, desde o passado sábado dia 21 de abril, decorrendo até dia 30 de Julho, no Centro Cultural Olga Cadaval em Sintra.
"Bombardeamento" de Ares
O Juri decidiu e anunciou ainda na sexta feira, galardoar este ano o Grande Prémio World Press Cartoon 2012, a dois artistas, o cubano Ares, pseudónimo de Aristides Esteban Guerrero e ao norueguês Egil Nyhus, com os cartoons à direita e abaixo à esquerda, galardão que ambos repartirão no valor de 20 mil euros (informou o jornal Público), Este ano participam 402 candidaturas de 56 países e com um total que ultrapassa as 800 caricaturas, tendo sido selecionados desenhos de 260 artistas, cuja liberdade de expressão assenta este ano no agravamento da crise económica mundial com ênfase.

 Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

terça-feira, 1 de maio de 2012

I Jornadas Sociais de Rio Tinto

A ARTES, Associação Rio Tinto para a Evolução Social, promoveu as I Jornadas Sociais, realizadas no Conselho, para além do convite feito a todos os interessados,  pediu-se também a que os interessados divulguem o trabalho social da Associação e os resultados das jornadas.
Dos diversos temas abordados no evento, destacaram-se: Nova geração e novos comportamentos; A prevenção em contexto escolar e a nova realidade; A Adesão e a não adesão ao tratamento de doenças infecciosas;  A dignidade no cuidar; A inclusão social através do desporto, entre outros temas.
Data: 4 de maio de 2012
Horário: das 8h30 (Inauguração) às 17h30
Local: Auditório da Escola Secundária de Rio Tinto.

Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

Música - Trova do Vento que Passa - Adriano Correia de Oliveira




Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.
o vento nada me diz.
La-ra-lai-lai-lai-la, la-ra-lai-lai-lai-la, [Refrão]
La-ra-lai-lai-lai-la, la-ra-lai-lai-lai-la. [Bis]
Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas.
Levam sonhos deixam mágoas
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.
[Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
que morro por meu país.
Pergunto à gente que passa
por que vai de olhos no chão.
Silêncio -- é tudo o que tem
quem vive na servidão.
Vi florir os verdes ramos
direitos e ao céu voltados.
E a quem gosta de ter amos
vi sempre os ombros curvados.
E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.
Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.
Vi navios a partir
(minha pátria à flor das águas)
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).
Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vi-te crucificada
nos braços negros da fome.
E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.
Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo.
E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.
Quatro folhas tem o trevo
liberdade quatro sílabas.
Não sabem ler é verdade
aqueles pra quem eu escrevo.
Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.
Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Texto escrito conforme o Acordo Ortográfico - Convertido pelo Lince