10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

A Psicologia Social - Uma Ferramenta Indispensável

O que é a Psicologia Social? Está é uma pergunta frequente de quem se depara com esta ciência pela primeira vez.
Podemos responder de moto conciso, que se trata de uma ciência que estuda as causas e efeitos do comportamento individual e da interação dos mesmos com o grupo ou sociedade, ou ainda a compreensão dos pensamentos, atitudes e comportamentos individuais que repercutem no campo social, e deste no campo individual.
É por assim dizer um misto de Psicologia e de Sociologia, o estudo da mente humana e da sua interação na sociedade ou grupos específicos dentro da mesma.
É por outras palavras o estudo do outro em três vertentes, a saber: 1 - Conhecer o outro; 2 - As influencias recíprocas entre ambos; 3 - As interações sociais.
Um exemplo do que estuda a Psicologia Social é o "Sindroma de Estocolmo" que é o fenómeno psicológico em que os reféns e os sequestradores se identificam mutuamente, com o objetivo de ambas as partes levarem a bom termo a situação de sequestro. O nome do fenómeno tem origem num assalto a um Banco em Estocolmo, em que foram feitos reféns 3 mulheres e um homem, em que os reféns se identificarão com os sequestradores, nomeadamente duas das mulheres reféns mais tarde vieram a casar com dois dos sequestradores.
A Psicologia Social estuda portanto o comportamento social, baseado na compreensão das Interações sociais, processo cognitivo, variáveis ambientais, contexto cultural e fatores biológicos dos indivíduos.
As principais teorias da Psicologia Social são as que se debruçam sobre:
1 - Perspectiva da Aprendizagem social, com base no behaviorismo;
2 - Perspectiva Cognitiva - com origem no Gestaltismo;
3 - Perspectiva Sociocultural - ou Perspectiva das Regras e Papeis, com teor interacionista;
4 - Perspectiva Evolutiva - baseada na influencia biopsicossocial.
As principais áreas de estudo da Psicologia Social são a percepção no que se refere à compreensão do outro; as atitudes, no que toca à decisão de tomada de atitudes e mudança das mesmas; agressão e conflito, como fenómenos sociais na interação com o outro; a dinâmica de grupos; é uma das mais estudadas áreas em Psicologia social, visa compreender o grupo e conhecer a sua identidade.
Não se sabe exatamente ao certo, quem terá feito nascer a Psicologia Social, os estadunidenses, reivindicam ser sua a invenção desta ciência que mescla a Sociologia e a Psicologia, através de duas obras publicadas em 1908. de Eduard A. Ross (1866-1951) e William McDougll (1871-1931), mas muito antes disso já Gabriel Tarde, Paolo Orano e Carlo Cattaneo haviam escrito obras dedicadas clara e inequivocamente a "Psicologia social" no século XIX, é o caso do livro " Psychologie du socialisme" (1896) tem a sua génese no fim do Século XIX, com o cientista francês Gustav Le Bon, que era sociólogo, físico e psicólogo, estudando a psicologia das multidões; e temos que com isto é possível mostrar que há inequivocamente uma génese europeia da fundação da Psicologia Social.
Após o seu nascimento fez-se mister a sua consolidação e desenvolvimento teórico e cientifico, tendo havido a época da consolidação que vai dos anos 40 a 60, com a teoria cognitiva de Festinger, a percepção social, a atracão interpessoal e as causas da agressão humana desenvolveram-se como campos de estudo nesta fase, nesta fase há uma frase de um ; Por fim vem a época da sua maturidade que surge no anos 70 até hoje, em que as diferenças de género, a psicologia ambiental entre outras formam a tónica deste período.
No que toca aos métodos de pesquisa e de investigação cientifica, que é baseada em hipóteses e teorias que são postas à prova, tais como a investigação da observação naturalista, entrevistas estruturadas ou livres, questionários, estudos correlativos, método experimental em que o observador também participa na investigação, quer seja de modo encoberto ou não.
Não obstante, é mister que se faça justiça, acrescentando que as ciências não existem per si, mas porque há questões que carecem de ser compreendidas para ser tratadas, sendo que no fundo são instrumentos de outras ciências interdisciplinares e afins, tais como a sociologia, a ciência política e sobretudo a Psicologia Social em relação ao Serviço Social por exemplo.
Logo cremos ser correto afirmar, que a Psicologia social a par de outras ciências, é uma ferramenta indispensável das diversas ciências ou campos de estudo e ação, correlacionados entre si.
Autor Filipe de Freitas Leal


Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

0 comentários :

Enviar um comentário