10 ANOS

Desde julho de 2007 a debater ideias e a defender causas.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Dia Internacional das Vitimas de Escravidão

25 de Março, é o "Dia Internacional em Memória das Vitimas de Escravidão e do Comercio Intercontinental de Escravos" que foi lançado pelos auspícios da ONU, em tributo a milhões de africanos escravizados em toda a América, do Norte no Canadá, Estados Unidos e México, até ao Sul no Brasil, Argentina e Chile, mas passando em maior ou menor grau por todos os países do continente.
Trata-se de uma fase da história da humanidade que não deve ser esquecida nem branqueada, sendo que o objetivo deste memorial é a conquista plena e irreversível de um ideal humanista, baseado nos direitos humanos como base de se poder criar sociedades mais justas para todos os povos em cada país do globo.
O que está em causa é um mundo sem descriminação de cor, raça, etnia e credo, pois é na condição dos limites da vida humana de finitude e incerteza que somos todos iguais e estamos todos no mesmo barco a caminho de um mundo melhor para as gerações futuras.
Bertold Brecht afirmou o seguinte: "Apenas a violência pode servir onde reina a violência, e / apenas os homens podem servir onde existem homens".


Autor Filipe de Freitas Leal

Sobre o Autor

Filipe de Freitas Leal nasceu em Lisboa, em 1964, estudou Serviço Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. Estagiou como Técnico de Intervenção Social numa Instituição vocacionada à reinserção social de ex-reclusos e apoio a famílias em vulnerabilidade social, é blogger desde 2007, de cariz humanista, também dedica-se a outros blogs de temas diversos.

1 comentários :

continua...Mulheres escravizadas na Europa


Após esta etapa inicial, os escravos futuros são levados para um Babalawo, que tem o dever de "bênção" de partida de mulheres submetendo-os a um ritual onde alguns itens íntimas das meninas são tomadas, tais como unhas, cabelos, pêlos púbicos, usados cuecas e assim por diante e são misturados em um saco com pó especial e ervas. Este saco fetiche será usado como uma ameaça contra eles, então eles nunca vão tentar se levantar contra seus proprietários.


Na Europa, a organização que gere o negócio de prostituição tem uma estrutura bem estabelecida com locais em diferentes países. No Benin e as áreas vizinhas, as organizações preparar as viagens que o levarão a "mercadoria humana" para a Europa, e uma vez lá, as meninas são "recebidos" pela estrutura local, geralmente liderada por um "maman", uma ex-prostituta que apresenta-se como uma figura materna e, geralmente, olha, depois de oito a dez meninas, gerir os seus rendimentos, ofertas, dívidas e recordando-lhes o vínculo suposto que eles têm com a organização.

O "maman" é uma figura ambígua como de uma maneira que ela se apresenta como um protetor e benfeitor para as meninas e passa a eles sua experiência. Mas por outro lado, ela também ameaça, obriga-os para as ruas e castiga-los, se eles tentam se rebelar.

O sono meninas sob o mesmo teto, muitas vezes trabalham nas mesmas áreas, compartilhar a mesma comida e vivem em uma pequena comunidade com suas próprias regras, e, basicamente, não tem nenhum contato com o mundo externo, exceto quando com os clientes. Existe forte desconfiança entre as meninas como "Mamans" muitas vezes têm espiões. Uma menina poderia fazer algumas confissões durante um momento de fraqueza para a pessoa errada, com conseqüências letais.

Houve alguns casos de prostitutas que conseguiram escapar, ir à polícia e prestar queixa contra a organização. Mas é sempre arriscado e as meninas não se sentem protegidos. Uma vez fora da rede que precisam desaparecer, mover longe e alterar os seus nomes.

Além disso, há sempre o problema de voltar para casa como a organização ainda pode prosseguir da família. Além disso, o Babalawo ainda teria a posse do saco fetiche que poderia ser usado para punir as meninas sob a forma de um ritual. De fato, as partes do corpo tomadas pelo Babalawo são considerados elementos de contato com as meninas e, segundo certas crenças, as meninas poderiam ser prejudicados por eles.

Claro que não, todas as meninas acreditam nessa prática, que pode soar um pouco primitivo, mas como dito anteriormente, o vodu é generalizada na área e, portanto, uma ferramenta muito fácil para as organizações a utilizar para a subjugação e controle.

Este sim é um mundo estranho, onde os negócios e dinheiro se cruzam com as religiões tradicionais e superstições, onde torturadores também assumir o papel de "mãe" como figuras; um mundo trágico onde as meninas da cidade e país lado tornam-se escravos, escravos de uma pós-moderno mundo.

Por Giovanni Giacalone.

Giovanni Giacalone é um sociólogo e escritor atualmente residente em Milão, Itália.

Recursos / Links

www.amicidilazzaro.it

http://www.progettoroxana.it/roxana/content/view/14/33/1/7/~~V

http://www.poliziadistato.it/articolo/view/23817/~~V

http://www.ibs.it/code/9788889533161/maragnani-laura/ragazze-benin-city.html

Enviar um comentário